CNA debate custos e rentabilidade na irrigação

Publicado em 06/12/2021 10:26 29 exibições

Em reunião extraordinária na sexta (3), a Comissão Nacional de Irrigação da CNA debateu o custo e a rentabilidade para a nova temporada e o Roadshow “Concessão Projeto de Irrigação Baixio de Irecê”, na Bahia.

Ênio Fernandes, consultor de mercado e presidente da Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar, falou sobre os motivos estruturais e comerciais para a alta do preço de fertilizantes e defensivos.

Segundo ele, houve disruptura da cadeia de soja e do milho, antecipação de compra de fertilizantes, medo do produtor de não ter acesso ao produto e protecionismo de países como EUA e China. “Tudo isso tem achatado a margem do produtor”, afirmou.

Sobre o Roadshow, técnicos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) apresentaram o projeto piloto de Irrigação Baixio de Irecê.

A iniciativa conta com uma área total de 105 mil hectares sendo 48 mil irrigáveis, com potencial para beneficiar 250 mil pessoas e gerar 180 mil empregos na região entre os municípios baianos de Itaguaçu e Xique Xique.

“Um projeto como esse nos deixa feliz porque está promovendo o desenvolvimento da região com o crescimento da irrigação apoiado pelo governo”, afirmou Eduardo Veras, presidente da comissão.

“A criação de polos de produção irrigada são extremamente importantes para a irrigação privada no País”, disse.

A concessão das etapas 3 a 9 do Perímetro Público de Irrigação do Baixio de Irecê conta com uma área total de 50 mil hectares sendo 31 mil irrigáveis e segue para leilão no primeiro semestre de 2022.

A comissão também debateu os projetos de lei que estão em pauta no Congresso Nacional sobre barramentos e licenciamento ambiental para irrigação.

Tags:
Fonte:
CNA

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário