Rússia diz que produtores de fertilizantes querem embarcar potássio

Publicado em 17/05/2022 16:26

Logotipo Reuters

(Reuters) – O Kremlin disse nesta terça-feira que os produtores de fertilizantes russos estão tentando cumprir contratos apesar das sanções ocidentais contra eles, o que representa um risco para a segurança alimentar global.

O porta-voz Dmitry Peskov estava respondendo a uma pergunta sobre a proposta do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, de que a Rússia permitisse o embarque de alguns grãos ucranianos para aliviar a crise alimentar global em troca facilidades para exportações russas e de Belarus de fertilizantes potássicos, atualmente afetados por sanções diante do conflito na Ucrânia.

Peskov disse que os fornecedores da Rússia estão interessados em cumprir contratos internacionais, mas que “sanções foram introduzidas, que estão crescendo em todo o mundo”.

A decisão da Rússia de enviar suas tropas para a Ucrânia há quase três meses impediu a Ucrânia de usar seus principais portos nos mares Negro e de Azov e reduziu suas exportações de grãos somente este mês em mais da metade em comparação com o mesmo período do ano passado.

A Rússia e a Ucrânia juntas respondem por quase um terço da oferta global de trigo.

A Ucrânia também é um grande exportador de milho, cevada, óleo de girassol e óleo de colza, enquanto a Rússia e a Belarus –que apoiou Moscou em sua intervenção na Ucrânia– respondem por mais de 40% das exportações globais do nutriente potássio.

Guterres disse que 36 países contam com a Rússia e a Ucrânia para mais da metade de suas importações de trigo, incluindo alguns dos mais pobres e vulneráveis do mundo.

Um funcionário da agência de alimentos da ONU disse no dia 6 de maio que quase 25 milhões de toneladas de grãos estavam presos na Ucrânia.

(Texto de Kevin Liffey)

Tags:
Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário