Safra de grãos do Paraná é de 30,6 milhões de toneladas

Publicado em 06/05/2010 16:24 257 exibições
A produção de grãos do Paraná se confirma em 30,6 milhões de toneladas, o que significa um aumento de 22,8% em relação à safra anterior, de 24,9 milhões de toneladas, segundo a assessoria técnica do deputado Moacir Micheletto (PMDB-PR), com base nos dados compilados do oitavo levantamento do ciclo 2009/2010 da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgado nesta quinta-feira (6). A safra total brasileira de grãos foi avaliada em 146,87 milhões de toneladas. Esta é a maior colheita da história, 8,7% superior às 135,13 milhões t da última safra. Com relação ao mês passado (146,31 milhões t), o desempenho é 0,4% maior.
   
 As variáveis responsáveis por isso são o bom regime de chuvas nas áreas de maior produção, a manutenção da boa produtividade do milho dos estados do Paraná e Goiás e a evolução na área do milho segunda safra e de plantio da soja em Mato Grosso. A soja deve alcançar 67,86 milhões t, 18,7% ou 10,70 milhões t a mais que na safra anterior. Já o milho segunda safra cresceu 16,8%, totalizando 20,26 milhões t. Somadas a primeira e a segunda safras do cereal, a produção deverá atingir 54,18 milhões t, com ganho de 6,2% em relação ao período passado. O percentual representa 3,18 milhões t a mais.
 
Área – Com a contribuição de algumas culturas para ampliação da área, o total plantado é de 47,5 milhões de hectares, inferior em 0,4% (172,1 mil ha) ao ciclo 2008/09. A área total de milho deve chegar a 13,03 milhões de ha, com redução de 8,1% sobre o último período (14,2 milhões de ha) e de 15,9% na produtividade. O milho segunda safra registrou aumento de 19,1% (288 mil ha), em Mato Grosso, e de 13,8% (51,3 mil ha), em Goiás. A soja também teve elevação de área de 6,9% (1,49 milhão ha). Outros grãos não tiveram o mesmo desempenho, como o arroz (- 115,4 mil ha), o milho primeira safra (-1,23 milhão ha), o feijão segunda safra (- 287 mil ha) e o algodão (- 7,2 mil ha).
 
Safra de inverno – Pesquisa preliminar sobre a safra de inverno indica que haverá redução na área semeada com trigo. Os estados do Rio Grande do Sul e Paraná respondem por 89% do total nacional. A previsão é de que serão produzidos 4,43 milhões de t, ou seja, 86,4% da totalidade no País (5,14 milhões de t). Estão em fase inicial de plantio, além do trigo, as outras culturas de inverno - aveia, cevada, centeio, canola e triticale.
 
Café -  Os números de café beneficiado no Brasil em 2010, de acordo com a segunda estimativa, apontam para uma produção de 47 milhões de sacas de 60 quilos. Esse volume representa aumento de19,2% ante as 39,5 milhões de sacas do ano passado. O bom resultado é fruto da bienalidade positiva da cultura, que é intercalada entre um ciclo alto e baixo. Quando a comparação é feita em relação a 2008, ano também de bienalidade positiva, o crescimento é de 2,85%.
 
O café tipo arábica (75,1% da produção total) está projetado em 35,3 milhões de sacas, contra 28,9 milhões do ano passado. O crescimento é de 22,3%. Já o conilon ou robusta representa 24,9% da produção nacional, equivalendo a 11,7 milhões de sacas.  A maior produção está em Minas Gerais, que detém 50,9% do total nacional, sendo 98,9% do tipo arábica. Em segundo lugar vem o Espírito Santo, com 23,4% da colheita do país, com destaque para a produção do conilon. O Paraná fica no sexto lugar, com uma colheita de 2,1 milhões de sacas.
     
Área – A área do grão em produção aumentou 32 mil hectares (1,5%), saindo de 2,09 milhões de hectares, no ciclo passado, para 2,12 milhões. Cerca de 91% do plantio está em produção e o restante dos cafezais, em formação.
 
 
A atual previsão de produção paranaense para safra 2010 é de 2,11 milhões de sacas, com produtividade média esperada de 25,39 sacas por hectare. Em relação ao 1º levantamento realizado em dezembro/09 ocorreram pequenos ajustes, apenas na estimativa da área cultivada, permanecendo o potencial de produção registrado no período.
 
Condições das lavouras - As lavouras em geral apresentam bom aspecto vegetativo, favorecidas pelo regime de chuvas registrado nas principais regiões produtoras nos últimos seis meses. Até agora o clima tem contribuído para que os grãos completem o ciclo vegetativo em boas condições, minimizando um pouco o efeito da desuniformidade causada pelas floradas irregulares em função do clima atípico ocorrido durante o inverno de 2009.
 
No entanto, permanece o quadro de desânimo por parte dos produtores, que mesmo diante de uma boa safra não tem perspectiva de lucro uma vez que os preços permanecem estáveis a os custos de produção continuam em alta, principalmente os gastos com a colheita que já iniciou nas regiões mais quentes e em lavouras de variedade precoce. A colheita se intensificará nas próximas semanas, devendo se concentrar nos meses de junho/julho/agosto, encerrando-se em setembro. A maior preocupação dos produtores atualmente, além dos preços baixos no mercado físico é com a escassez e o alto custo da mão de obra para a colheita, em especial nas regiões que concorrem diretamente com a colheita da cana.
Tags:
Fonte:
Ass. Com. Moacir Micheletto

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário