Variedades são mais resistentes a nova praga

Publicado em 27/05/2010 10:58
208 exibições

<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Uma nova praga que já dizimou grandes áreas de lavouras de cana-de-açúcar em países como a Austrália, no começo da década, foi detectada no Brasil pela primeira vez entre o final de 2009 e o início deste ano.

Lavouras de cana da região de Araraquara (interior de São Paulo) e do noroeste do Paraná tiveram os primeiros registros de ataque da doença.

Mas, segundo especialistas, a chamada "ferrugem alaranjada" não conseguiu reproduzir os mesmos estragos em escala maior devido à diversidade de variedades usadas no campo brasileiro.

Na Austrália, a ferrugem gerou perdas totais de 35% do plantio da cana por causa da doença. Ela tem origem em um fungo que causa o ressecamento das folhas da planta.

Naquele país, durante o ataque, apenas uma variedade de cana cobria cerca de 60% da plantação do país, o que facilitou a expansão da praga.

No Brasil, uma única variedade não costuma cobrir uma área total superior a 20%, segundo o setor de ciências agrárias da Ufscar (Universidade Federal de São Carlos).

Essa característica pode ajudar a evitar a expansão em massa da nova ferrugem e o consequente prejuízo aos agricultores.

Testes de campo já foram feitos para medir a penetração da praga entre as espécies brasileiras.

Entre as que resistiram à doença estão as novas variedades lançadas neste ano pela Ridesa -rede de universidades públicas que pesquisa o desenvolvimento da cana para o setor sucroalcooleiro.

O professor Marcos Sanches Vieira, da área de genética e melhoramento de plantas da UFSCar, afirma que as variedades de cana desenvolvidas tiveram boa resistência à ferrugem quando foram submetidas a testes na Costa Rica -país da América Central com quem o Brasil tem convênio para estudar o desenvolvimento da planta.

 

 

Tags:
Fonte: Folha de São Paulo

Nenhum comentário