Queimadas em Mato Grosso estão proibidas a partir de hoje

Publicado em 09/07/2010 15:18 497 exibições
As queimadas em Mato Grosso estão proibidas a partir de hoje. O decreto 2673 -10 publicado no Diário Oficial do Estado, foi assinado pelo governador Silval Barbosa e houve antecipação do período proibitivo com objetivo coibir incêndios florestais porque as condições climáticas são extremamente desfavoráveis na região.

Até setembro, quem for pego ateando fogo pode receber multa que varia de acordo com a área atingida - de R$ 1 mil por hectare nas áreas abertas a R$ 1,5 mil reais por hectare nas áreas de floresta -, além de correr o risco de ser detido e responder por crime ambiental. Nesses casos a detenção pode chegar a quatro anos.

A antecipação do período proibitivo foi solicitada pelo secretário de Meio Ambiente, Alexander Maia, e apoiada pelo Comitê Estadual de Gestão do Fogo em razão do agravamento das previsões climáticas para Mato Grosso como o forte calor e baixa ocorrência de chuvas.

Segundo as previsões do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE), do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM), no período iniciado em junho até setembro, em especial em Mato Grosso, deverá ocorrer um predomínio de ar seco e umidade relativa do ar abaixo dos 30%, constituindo fatores que aumentam o risco de fogo no estado.

Este ano já foram registrados no Estado pelo menos quatro grandes incêndios: um no morro Quebra-Gamela, em Chapada dos Guimarães, outros dois na região de Nobres e o último foi esta semana, no Monumento Natural Morro de Santo Antônio do Leverger, localizado no município de Santo Antônio do Lerverger.

O fogo na unidade de conservação, que possui uma área de 258 hectares, começou na manhã da última quarta-feira e foi controlado ontem à tarde, segundo informações da Defesa Civil.

Dados dos satélites do Inpe apontam que, dos 1.501 focos de queimadas observados no Brasil (nesta sexta-feira) 413 são em Mato Grosso. Desse total, 46 foram registrados em Tabaporã; 40 em Porto dos Gaúchos; 34 em Santa Carmem; 27 em Tapurah; 21 em Tangará da Serra; 18 em Campinápolis; 17 em Paranatinga; 17 em Nova Mutum; 17 em Jaciara e 11 em Nova Maringá.

Tags:
Fonte:
Só Notícias

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Árvores nascem, crescem, florescem, amadurecem, perecem e apodrecem. Isto pode levar 30, 50 ou 100 anos. Quando se queima, este processo é abreviado. A produção de residuos é a mesma com a diferença de que quando queimadas, os residuos são reciclados mais rapidamente. Que diferença fazem 50 ou 100 anos para o planeta Terra que tem sua idade calculada em "Eras Geológicas"? Além disto a fuligem fica toda abaixo das nuvens e na primeira chuva cai tudo para a Terra. É um abobalhamento midiático sem precedentes este que condena exageradamente as queimadas. Verdadeiro prejuizo é queimar petróleo e carvão que estavam adormecidos nas profundezas da crosta terrestre e aí o homem toca fogo e manda tudo pelos ares de onde estas substâncias não faziam parte enquanto que a vegetação queimada, subsituida por novas plantas, terá que reabsorver aquilo que jogou na atmosfera para crescer de novo... Quanta Ignorância neste mundo. Coisas que se aprende nas aulas de ciências do primário e as pessoas esquecem.

    0