Padilha foge de perguntas sobre programa de governo de Dilma

Publicado em 07/10/2010 14:03
403 exibições


Ao chegar à reunião da Executiva Nacional do PT, convocada para fazer um balanço do primeiro turno das eleições e traçar estratégias para o segundo turno, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, esquivou-se de responder sobre a formalização do programa de governo da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff. A vinte e quatro dias da eleição, o comando da campanha petista ainda não apresentou o documento com o qual havia se comprometido com os demais partidos da coligação.

O objetivo inicial era que esse documento detalhasse, em 13 itens, o programa de governo da candidata. O PMDB chegou a destacar o ex-governador do Rio de Janeiro Moreira Franco para compor o grupo de trabalho que o redigiria. O peemedebista chegou a emplacar o primeiro item desse documento, Mais democracia, para rebater as críticas de autoritarismo do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No entanto, a coordenação da campanha de Dilma interrompeu esse trabalho.

O maior compromisso formal de governo é a fala da nossa candidata, despistou Padilha, sobre a conclusão do documento. Segundo o ministro que entrou de férias hoje para se dedicar integralmente à campanha de Dilma -, os eixos do programa vêm sendo apresentados ao longo das manifestações públicas da candidata. Ele ressaltou que o ponto principal é a continuidade do governo Lula, da política econômica e dos programas de desenvolvimento e inclusão social.

Padilha argumentou que um documento foi protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na ocasião do registro da candidatura presidencial como o programa de governo. Entretanto, esse documento foi retirado depois, pela coordenação da campanha, porque repetia a ata aprovada na convenção nacional do partido, realizada em fevereiro. Essa ata continha temas polêmicos, defendidos por setores mais radicais do PT e não encampados pela ala majoritária do partido como o controle social dos meios de comunicação, redução da jornada de trabalho e tributação das grandes fortunas.

Tags:
Fonte: O Estado de S. Paulo

Nenhum comentário