China adotará medidas para ampliar demanda doméstica, diz líder chinês

Publicado em 12/11/2010 16:44
304 exibições

PEQUIM - A China vai adotar várias medidas para estimular a demanda doméstica e garantir que o consumo privado aumente contínua e rapidamente para contribuir com o desenvolvimento econômico global, afirmou o presidente do país, Hu Jintao, a líderes do G-20 durante a cúpula que terminou hoje em Seul, na Coreia do Sul. 

Hu não falou diretamente sobre as questões mais controversas entre a China e outros países do G-20 - como a taxa de câmbio do yuan - nem sobre a adoção de metas numéricas para conta corrente. No entanto, o presidente chinês indiretamente tratou do assunto dos desequilíbrios globais ao enfatizar o aumento do consumo doméstico. 

Em um discurso feito na cúpula, Hu apresentou uma lista de políticas que Pequim vai adotar durante os próximos cinco anos para estimular a demanda interna - como a aceleração dos ajustes na distribuição de renda, o aumento da renda dos residentes no país, a expansão do crédito ao consumidor e o fortalecimento do sistema de logística comercial. 

Hu Também disse aos líderes do G-20 que "nações que emitem as moedas de reserva mundiais deveriam adotar políticas responsáveis e manter as taxas de câmbio relativamente estáveis". A autoridade chinesa não mencionou nenhum país, mas os comentários provavelmente têm como alvo os EUA, que recentemente lançou uma segunda rodada de afrouxamento quantitativo para impulsionar a economia doméstica. 

Segundo Hu, um sistema de moeda de reserva global deveria ser estabelecido e as instituições financeiras globais deveriam incluir mais executivos de países em desenvolvimento. Além disso, o Fundo Monetário Internacional (FMI) deveria fortalecer a supervisão dos fluxos de capital entre os países, disse. Hu também pediu uma oposição a várias formas de protecionismo, a redução de obstáculos comerciais e a investimentos e a remoção de restrições a exportações de produtos de alta tecnologia. As informações são da Dow Jones.

Tags:
Fonte: O Estado de S. Paulo

Nenhum comentário