Venda antecipada de milho, soja, trigo no Brasil, por Mike McGinnis

Publicado em 08/03/2011 22:05 1280 exibições
Mike McGinnis, jornalista da Agriculture.com, visitou o Oeste da Bahia e este é seu relato do atual momento da safra 2.011 no Brasil.

Com a colheita atrasada em andamento devido a excesso de chuvas, os agricultores no norte do estado da Bahia, Brasil, tem pelo menos uma coisa a menos para se preocupar com o mercado. Por quê? Como começou a época de plantio, o mercado decolou e agricultores adiantaram-se, fazendo a venda antecipada.

"Em outubro, os agricultores começaram a ganhar vantagem com os preços mais elevados. Como resultado, 60% da safra de soja nova foi vendido no mercado à vista, desde meados de fevereiro. 

"Julio Mattos, analista de mercado da Supergrãos em Luis Eduardo, na Bahia, diz: Até o momento, os agricultores têm conseguido entre R $ 17 - $ 28 por saca de soja, 30% acima de um ano atrás.

Em um ano normal, metade da safra seria vendido para a frente, neste mesmo tempo. No oeste da Bahia, a venda antecipada é comum, pois essa região é composta de grandes agricultores que não contam com financiamento do governo. Como resultado, o dinheiro é necessário para pagar contas e investir em insumos da safra seguinte.

Em comparação, pequenos agricultores no estado do Paraná que contam com verbas do governo e não vendem tanto para a frente.

"Os agricultores que financiam-se tem o cuidado de capturar o melhor preço. Este ano, os agricultores do oeste baiano já estão fazendo as vendas de soja para 2012. A venda antecipada está se tornando uma tendência que estamos vendo. 

"Para 2012 as vendas de soja, os agricultores receberam entre US $ 23 - $ 24 por saca, de acordo com Mattos.

Além disso, embora os agricultores no oeste da Bahia estejam a 500 quilômetros de portos de exportação, a região tem inúmeras empresas multinacionais que mantêm os preços locais competitivos.

Ao contrário de estados do sul do Brasil que vendem a maior parte de suas colheitas para as cooperativas, os agricultores do oeste baiano vendem para empresas multinacionais comerciais. "Essas multinacionais tendem a comprar seus suprimentos com antecedência. Então, isso está ajudando a tendência dos agricultores para a frente, vendendo sua soja. "

img_4d67e71c27d7d_14981.jpg

(Pictured above: Mike McGinnis takes the wheel of a Brazilian truckload of corn. Na foto acima: Mike McGinnis assume o volante de um caminhão brasileiro de milho).

VENDAS DE MILHO

Enquanto isso, os agricultores Oeste da Bahia tem um mercado mais difícil no milho. Com 100% do milho consumido localmente pelas indústrias de aves e suína, os agricultores têm pouca oportunidade de transmitir melhores preços para suas colheitas. "Os usuários não necessariamente gostam de adiar suas compras...", diz Mattos.

BRASIL LUTA POR MELHORES PREÇOS NO TRIGO

O Brasil é um importador líquido de trigo. O país produz cerca de 50% do seu consumo próprio. A questão é, o que é produzido internamente não podem ser vendidos competitivamente no mercado interno. A indústria moageira acha mais barato comprar trigo do Canadá, Argentina e outros países do que comprá-lo dentro das fronteiras brasileiras.


Não é muito caro para colocar uma carga de trigo em um caminhão no sul do Brasil e transportá-lo para o norte. Assim, os agricultores estão reclamando que o governo deveria ajudar a construir um melhor mercado para o trigo. Alguns agricultores brasileiros estão sentados no valor de dois anos de trigo, procurando um melhor preço.

Nelson Paludo, um consultor de mercado e da cultura em Toledo, no Paraná, diz que os agricultores da área estão indo embora do plantio de trigo. "Este ano, as plantações de trigo terão uma queda de 20%, devido aos preços fracos. Os hectares de trigo serão substituidos pela safrinha de milho". 

Enquanto isso, o Ministro Wagner Rossi diz que o governo planeja ampla legislação para melhorar o mercado nacional de trigo.

"O trigo é uma cultura excepcional no Brasil. Com muitas outras culturas, o país é auto-suficiente. No entanto, o trigo é um caso separado. Por isso, o governo está procurando maneiras de incentivar os agricultores de trigo.

Embora a maior parte do trigo seja usado no norte do Brasil, devido a razões climáticas e econômicas, o grão não pode ser levado para o norte. Como resultado, o governo está procurando maneiras de pagar os custos de transporte para o trigo de abastecimento fora dos estados do Sul e no Norte. 

Muito em breve, teremos uma política mais abrangente para lidar com os custos de transporte. Em última análise, a questão é que a qualidade do trigo no Brasil não é alta o suficiente para atrair compradores. E, o governo não vai financiar medidas relativas à exportação, quando o trigo é necessário a nível nacional. "

img_4d67e84cb2e33_14979.jpg

Selling corn, soy, wheat in Brazil

02/25/2011 @ 12:17pm

Tags:
Fonte:
Agriculture.com

2 comentários

  • Luana Gomes Curitiba - PR

    Telmo,

    O problema realmente foi na tradução, feita pelo google, ao que parece. Confia a matéria original no link

    http://www.agriculture.com/markets/marketeye/selling-cn-soy-wheat-in-brazil_17-ar14979

    e vai ver que a reportagem está, na verdade, muito boa.

    O Mike McGinnis veio ao Brasil a convite da Expedição Safra Gazeta do Povo e acompanhou parte do roteiro de uma de nossas equipes de técnicos e jornalistas em quatro estados brasileiros (PR, GO, PI e BA). Para saber mais sobre o projeto e conferir as novidades sobre as safras de Brasil, Argentina, Paraguai e Estados Unidos, acesse:

    http://www.gazetadopovo.com.br/caminhosdocampo/

    http://www.gazetadopovo.com.br/blog/expedicaosafra/

    Abraço,

    Luana Gomes

    0
  • Telmo Heinen Formosa - GO

    A tradução literal destas reportagens produz textos ridículos ou desvirtuados. É preciso ser um bom entendedor da conjuntura agricola do país para interpretar a informações. De qualquer maneira é bom que o jornalismo americano se preocupe com os acontecimentos na agricultura brasileira. Seria muito bom que a distância do Oeste Baiano aos portos fosse de apenas 500 km.

    0