Produção agrícola chinesa é para subsistência

Publicado em 19/08/2011 16:33 1289 exibições
A comitiva da Aprosoja na China encerrou a semana conhecendo de perto o sistema agrícola chinês e empresas de processamento de soja. No entorno da cidade de Xian, o grupo, formado por produtores rurais, diretoria da Aprosoja, deputados estaduais e jornalistas, visitou a Northwest University Agriculture Forestry, uma das melhores universidades agrícolas do país, e regiões produtoras. O objetivo do intercâmbio é se aproximar da realidade chinesa – nação que responde sozinha por 54% das compras de soja no mundo todo.

“Conferimos in loco como se dá a produção de soja na China e vimos que a agricultura aqui não é empresarial. Os agricultores trabalham para garantir sua subsistência, e 80% das propriedades têm menos de 1 hectare”, comenta o presidente da Aprosoja, Glauber Silveira. De acordo com Glauber, o sistema de trabalho na China é coletivo, e cada área de plantio costuma ser dividida entre mais ou menos 400 famílias.

A produção é direcionada totalmente para o governo, e não há a figura da trade – esse papel costuma ser feito por um tipo de cerealista, que intermedeia a venda da produção para os grandes armazéns oficiais. As terras são propriedade do governo e na China o comércio fundiário praticamente não existe. Os arrendamentos começaram a surgir somente nos últimos anos.

A comitiva da Aprosoja conheceu também duas empresas focadas na cadeia produtiva da soja: uma processadora de grãos para produção de ração animal e uma planta industrial de criação de suínos em larga escala. No sábado, o grupo segue para Xangai, centro econômico-financeiro da China e maior cidade do país.

Principal parceiro comercial do Brasil e de Mato Grosso, a China é hoje a segunda maior economia do mundo e o país mais populoso do planeta: são mais de 1,3 bilhão de habitantes – o que corresponde a 22% da população mundial. Os chineses respondem por 20% de todas as exportações nacionais, e têm ampliado ano a ano as vendas para os brasileiros, sendo hoje o segundo maior mercado importador para o Brasil.

Na pauta comercial, o complexo soja é o item de maior relevância, ao lado do minério de ferro. Isso ocorre porque o consumo de soja na China tem aumentando exponencialmente. De 1994 até 2011, segundo dados do USDA, o consumo de soja na China aumentou 378%, sendo que hoje o país responde por 54% do total de importação de soja em todo o mundo e por 46% das compras de soja brasileira.

A ampliação desse consumo é explicada pelo crescimento populacional e pelo aumento de renda dos chineses, principalmente da ascendente classe média. Desde 1994, a China tem mantido um crescimento econômico anual superior a 7,5% – é a nação que mais cresce no mundo.

A chamada “Missão China” da Aprosoja visa aproximar produtores rurais e deputados estaduais que participam da comitiva da realidade do país oriental. O intercâmbio começou no dia 14 de agosto e termina no dia 24, com o retorno da comitiva composta por mais de 30 pessoas a Cuiabá.

Números da China

9,5 milhões de km²

4º maior país do mundo em área

Mais de 1,3 bilhão de habitantes

365 milhões de famílias

20% da população mundial

Crescimento econômico anual superior a 7,5% desde 1994

2ª maior economia do mundo

Responsável por 20% das exportações brasileiras

Compradora de 54% de toda a soja do mundo e 46% da soja brasileira

Tags:
Fonte:
Só Notícias

0 comentário