Federarroz vai ao Ministro pela repactuação das dívidas

Publicado em 02/09/2011 12:57 e atualizado em 02/09/2011 14:34 469 exibições
Bancos resistem às determinações da Resolução 3.992, mesmo com respaldo legal do Banco Central.
O presidente da Federarroz, Renato Rocha, acompanhado de lideranças da Fetag e dos deputados Luis Carlos Heinze e Edson Brum, reuniu-se nesta quinta-feira, na Expointer, em Esteio (RS), com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mendes Ribeiro Filho e o Secretário Executivo, José Carlos Vaz, para pedir uma solução à negativa das instituições financeiras em repactuar as dívidas de custeio e investimentos dos arrozeiros. Rocha entregou ao ministro um documento contendo reivindicações. Ele aponta que o desinteresse das instituições bancárias em aderir às Resoluções 3.992 e 3.993, do governo federal e ainda a demora na edição de Carta Circular do BNDES, está dificultando a repactuação dos financiamentos da safra 2010/2011.

“Alguns bancos privados e de fábrica, não aceitam a renegociação dos investimentos, alegando falta de respaldo do BNDES. Isso coloca em risco não só o esforço para dar combate a crise do setor, mas principalmente atrasa a liberação de crédito e compromete a formação da lavoura para a próxima safra, cujo plantio deve começar em 15 dias”, declara Renato Rocha.

Segundo ele, algumas agências têm recomendação de só liberar custeio novo mediante o pagamento da dívida antiga, outros estão exigindo garantias de 2x1, enquanto a Federarroz defende 1x1 e a flexibilização do limite de crédito. “Estamos pedindo ao MAPA, há 30 dias, para convocar as instituições bancárias a participarem da repactuação, mas ainda não houve avanço”, declara Renato Rocha. A Federarroz também pede ao MAPA a antecipação dos contratos de opção de arroz.

Diante deste cenário, foi solicitado que o ministro Mendes Ribeiro Filho promova uma reunião com os bancos para alinhamento das instituições com relação à renegociação das dívidas arrozeiras.

ENCAMINHAMENTOS - O Ministro pedirá ao BACEN que notifique os bancos para adesão as resoluções e também ficou de solicitar uma reunião com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, para pedir a inclusão dos investimentos vencidos, dos programas Moderfrota, Moderinfra, Modeagro, além de da carta-circular autorizando o sistema financeiro a operacionalizar tais medidas. “São demandas urgentes, para evitar que se perca todo o esforço realizado no ano”, sentencia Renato Rocha.

Tags:
Fonte:
Federarroz

0 comentário