Brasil suspende embarque de carne à China por caso atípico de vaca louca

Publicado em 03/06/2019 20:43
666 exibições

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério da Agricultura do Brasil suspendeu exportações de carne bovina do país à China após a confirmação de um caso atípico de doença de "vaca louca" em Mato Grosso, informou a pasta nesta segunda-feira.

A China, maior importadora de carne bovina do Brasil em receita, gastou 1,5 bilhão de dólares em compras do produto no ano passado, totalizando 332.400 toneladas, ou quase 20% de todos os embarques, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

Um representante de uma importante exportadora disse à Reuters, em condição de anonimato, que a suspensão foi imposta na manhã desta segunda-feira, quando o governo paralisou formalmente a emissão de certificados sanitários internacionais.

Uma porta-voz do ministério afirmou que a ação é resultado de um protocolo sanitário bilateral assinado por ambos os países em 2015. O Brasil é o maior exportador de carne bovina.

Os frigoríficos brasileiros listados na bolsa de valores registraram quedas substanciais nesta segunda-feira. A Minerva recuou 2,8%, enquanto JBS recuou quase 3 por cento, e Marfrig perde 4,25%, ao final da sessão.

O Ministério da Agricultura relatou na sexta-feira o caso atípico de vaca louca, registrado em uma vaca de 17 anos em Mato Grosso.

O caso foi considerado "atípico" porque a doença apareceu espontaneamente, e não por ração contaminada.

A porta-voz do ministério disse nesta segunda-feira que o Brasil espera que a suspensão seja levantada rapidamente, uma vez que o país segue classificado com livre da doença de vaca louca pela Organização Mundial de Saúde Animal.

Governo brasileiro espera retomada de embarques de carne à China em breve

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério da Agricultura do Brasil confirmou a suspensão de exportação de carne bovina à China nesta segunda-feira, após ter sido registrado um caso atípico de doença de vaca louca em Mato Grosso na semana passada.

Segundo nota do ministério, a expectativa é de que vendas de carne bovina para os principais clientes do Brasil sejam retomadas em breve, pois a suspensão é "protocolar e não de risco sanitário".

Mais cedo, um exportador confirmou à Reuters notícia de que o ministério havia suspendido os embarques de carne aos chineses, após o caso atípico de vaca louca.

BR suspende embarques à China por causa da vaca louca sem necessidade, diz Ênio Marques

O caso atípico da vaca louca, conforme confirmação do Brasil à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, da sigla em inglês), tem gerado movimentação em Brasília nesta segunda (3) entre líderes das principais entidades do setor de frigoríficos, inclusive com a confirmação de que estão suspensos os embarques para a China desde o dia 31, segundo documento assinado pelo Departamento de Inspeção de Saúde Animal distribuído ao mercado há pouco (veja ao final).

Para Ênio Marques, responsável brasileiro na assinatura do acordo com os chineses, a suspensão não procede. "A China na minha opinião não pode fechar mercado por esse caso. O Brasil decidiu como medida cautelar", explica Marques, que firmou o acordo sanitário com o chineses, no governo Fernando Henrique Cardoso, enquanto secretário de Defesa Sanitária. E depois, em 2011, novamente no posto, quando o acordo foi complementado.

O hoje consultor garante que não há, no âmbito da OIE, essa exigência de suspensão de embarques em caso como esse, atípico, envolvendo animal de 19 anos no Mato Grosso, e "nem nós assinamos isso".

O Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), assim como a Abiec e Abrafrigo, foram acionadas para esclarecimentos, mas até o momento não responderam. Cyro Penna Jr, presidente do Conselho Nacional da Pecuária de Corte (CNPC), diz, no entanto, esperar solução rápida, com a ação que o Mapa está fazendo junto aos maiores compradores de carne brasileira.

"Eu assinei esse acordo e ele está em linha com o que exige a OIE, ou seja, caso atípicos, como a doença atacando um bovino velho, não se pode barrar exportações", afirma Marques, que, naturalmente, não descarta possibilidade de que a China possa estar tentando alguma pressão mesmo não havendo motivo legal para isso.

Relembrando o ocorrido em 2012, em Sertanópolis, Norte do Paraná, quando houve outro caso atípico, e que custou o bloqueio das exportações brasileiras para vários países, Marques  lembra que o atraso na comunicação à OIE se deu pelas adequações aos protocolos da encefalopatia espongiforme bovina (BSE).

Mesmo com esse entendimento no marco legal do comércio de carne entre Brasília e Pequim, havendo endurecimento do comprador, o médico veterinário Ênio Marques acredita que o Brasil possa enviar amostrar para laboratórios internacionais habilitados pela OIE para não paire dúvidas, "mesmo que sejam dúvidas improcedentes".

"São poucos os laboratórios mundiais habilitados", informa o consultor, salientando que, em 2012, após o caso atípico do Paraná, o diagnóstico foi confirmado na Inglaterra, país que já havia sofrido com a enfermidade em seu rebanho anos antes.

*Documento expedido pelo Mapa/SDS suspendendo as exportações: 

 

 

Documento da vaca louca

Leia mais: Mapa confirma ocorrência de caso atípico de EEB (vaca louca) no Mato Grosso

Tags:
Fonte: Reuters/Notícias Agrícolas

0 comentário