Com a redução de compras da China, ritmo exportado de carne bovina teve um recuo de 8,74% em novembro

Publicado em 02/12/2019 16:16
286 exibições

LOGO nalogo

O volume embarcado de carne bovina in natura foi de 155,6 mil toneladas no mês de novembro, conforme divulgou a Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) nesta segunda-feira (02). O ritmo exportado teve uma retração de 8,74% frente ao mês de outubro que exportou 170,5 mil toneladas.

A média diária ficou em 7,8 mil toneladas exportadas e teve um avanço de 4,9% frente ao  mês anterior, que registrou uma média de 7,4 mil toneladas. O volume diário registrou um incremento de 19,3% se comparado com o desempenho de novembro de 2018 que teve uma diária de 6,5 mil toneladas.

De acordo com a Radar Investimentos, a secretária reconheceu e corrigiu o erro nas publicações dos dados das exportações em nov/19.  “O volume total embarcado neste mês de novembro foi de 155,6 mil toneladas, um valor bem distante daquelas 115 mil toneladas que mostrava nos dados anteriores”, reportou.

Exportações brasileiras de carne bovina in natura, em mil toneladas

Exportações de carne bovina in natura | Fonte : Radar Investimentos

Neste  mês de novembro o valor negociado ficou ao redor de US$ 755,8 milhões, porém esse valor na média por dias úteis está próximo de US$ 37,8 milhões. O valor negociado do produto em novembro registrou uma alta de 14% frente ao mês anterior em que o valor comercializado foi de US$ 762,7 milhões e com uma média diária negociada em US$ 33,2 milhões.

 Os preços médios ficaram próximos de US$ 4.857,6  por tonelada, um aumento de 8,6% se comparado ao mês de outubro que registrou um preço de US$ 4.473,5 por tonelada. Os valores atuais registraram um ganho de 21,6% frente ao mesmo período do ano anterior que registrou um valor médio de US$ 3.993,8 por tonelada.

Segundo o CEO da Frigol, Luciano Pascon, o importador chinês já tem um estoque considerável para passar o ano novo chinês que ocorre no final de janeiro e estão fora o mercado por conta da alta dos preços. “Hoje, eles estão fora do mercado aguardando um recuo dos preços e a indústria brasileira não pode recuar, pois os valores da matéria prima subiram de forma significativa”, aponta.

Assista:

>> China diminui ritmo de compra da carne bovina e reduz em 15% valor ofertado por tonelada do produto brasileiro, diz frigorífico

Rússia

O serviço sanitário da Rússia retirou na última sexta-feira às restrições as industrias frigoríficas de bovinos da JBS na região de Colíder/MT e da Minerva no município de Rolim de Moura/RO. Diante desse cenário, a JBS poderá exportar carne bovina para a Rússia e a Minerva já contava com uma planta autorizada em outra localidade.

Tags:
Por: Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário