Filé sobe 93% mais do que a arroba

Publicado em 08/08/2011 14:55 348 exibições
Levantamento mostra que o varejo vem mantendo uma margem de lucro muito grande e quem paga é o consumidor

O bife de filét mignon ficou 38,7% mais caro no período de agosto de 2010 e o mesmo mês de 2011. Enquanto isso, na outra ponta da cadeia produtiva, o preço pago pela arroba do boi gordo ao pecuarista em Mato Grosso, registrou um aumento de apenas 16,6%, passando de R$ 76,58 para R$ 89,26 em agosto de 2011, uma diferença de 93%. “Precisamos de preços mais justos e o varejo não pode tratar o consumidor com esse desrespeito, pois nada explica esses aumentos exorbitantes”, disse o superintendente da Associação dos Criadores de Mato Grosso – Acrimat, Luciano Vacari.

 

A média no aumento dos preços da carne bovina nas gôndolas dos supermercados em Cuiabá foi de 22,9%, segundo levantamento feito pela Associação dos Produtores Rurais - APR.  Esse percentual mostra uma diferença de 63% em relação ao preço da arroba do boi gordo. Os cortes chamados ‘ nobres’, da parte traseira do boi, chegaram a aumentar até 38,7%, como é o caso do filé mignon, que custava R$ 20,27 o quilo em agosto do ano passado e saltou para R$ 28,12 em agosto deste ano. A picanha acompanhou a tendência e passou de R$ 24,31 o quilo para R$ 33,26, registrando uma majoração de 36,8%. O contra filé subiu menos, 22,4%, passando de R$ 15,66 o quilo para R$19,16. A maninha, boa para um churrasco, saltou de R$ 16,16 para R$ 21,58, um aumento de 33,5%. Os cortes da parte dianteira chamados popularmente de ‘segunda’ foram menos valorizados, mas também acima do preço da arroba, como o músculo que aumentou 21,4%, saindo de R$ 8,56 para R$ 10,39. A costela teve um aumento no varejo de 19,0%, saindo de R$ 6,63 em agosto de 2010 para R$ 7,89 em agosto deste ano. O acém que era vendido nos açougues por R$ 7,49 subiu para R$9,79 neste mês de agosto, uma diferença de 30,7%.

 

Vacari analisa que “nos últimos anos houve uma melhor distribuição de renda no Brasil e isso levou muitos consumidores que pertencia a uma classe social para um melhor poder aquisitivo, o que proporcionou uma maior participação desses consumidores ao acesso da proteína vermelha”. O superintendente observa que o mercado interno é muito bom e tem um potencial tremendo. Mas, ele ressalta que para estimular o consumo dos brasileiros “temos que tratar melhor o povo, oferecendo um preço mais justo e não como vem acontecendo com os atuais preços cobrados pelo varejo”.

Um levantamento divulgado pelo Imea – Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária – mostra que o movimento de ascensão é grande por parte da população brasileira, com destaque para o aumento do consumidor da classe “C”. Um dos indicadores desse forte aquecimento da demanda interna é o índice Big Mac, no qual o Brasil figura dentre os países mais caros para se comer. Sendo esse aumento da procura pela carne bovina apontada em alguns meses como um dos causadores do aumento da inflação oficial, favorecendo o aumento do peso do subgrupo carnes no IPCA de 1,61% em julho de 2006 para 2,41% em julho deste ano. O mercado interno está cada dia mais em alta, principalmente num momento em que as exportações estão em baixa.

Tags:
Fonte:
Acrimat

0 comentário