Café: NY atinge maior preço em 25 meses e maio fecha em US$ 2,06

Publicado em 10/04/2014 17:28 e atualizado em 10/04/2014 18:38 904 exibições

Os contratos futuros do café arábica atingiram o maior preço em 25 meses na Bolsa de Nova Iorque (Ice Futures US) nesta quinta-feira (10). Em mais uma sessão extremamente volátil, os contratos para entrega mais próxima tiveram altas acima dos 600 pontos.

O vencimento maio fechou em 206,10 centavos de dólar por libra-peso e alta de 625 pontos. A máxima do dia para o contrato foi 207,80 e a mínima de 199,95. O vencimento julho fechou em 208,40 cents e o setembro encerrou com 210,40 cents / libra-peso. 

De acordo com o analista de mercado Eduardo Carvalhaes, o mercado internacional está observando não apenas um déficit de produção nesta safra, mas também nas próximas. “Há uma grande insegurança no mercado, pois os investidores ainda não sabem qual é a dimensão das perdas para este a para as próximas safras... Se as chuvas forem normais daqui para frente, não conseguiremos repor o déficit hídrico”.

A analista Judith Ganes, da J. Ganes Consulting, afirmou em entrevista à Bloomberg, que “a produção de café no Brasil deverá ser prejudicada pelos próximos três anos”, afirmou Judy Ganes-Chase, presidente da J. Ganes Consulting, no Panamá. “As árvores não conseguirão recuperar a umidade necessária depois de sofrerem com falta de chuvas e nutrição. As árvores também ficarão mais susceptíveis a doenças e outros problemas que não estão aparentes agora irão se manifestar no futuro”.

A possível incidência de um El Niño no segundo semestre poderá piorar ainda mais a situação dos cafezais, segundo os analistas, já deve trazer excesso de chuvas ao Brasil no período de colheita e aumentar a incidência de ferrugem em cafezais da América Central. 

Cautela na colheita
Em algumas regiões produtoras, como em Carmo do Rio Claro-MG, cafeicultores já começam a colher parte de seu café que está amadurecendo precocemente devido ao excesso de calor. Agrônomos e especialistas no setor sugerem cautela e uma melhor avaliação da qualidade dos grãos antes de investir dinheiro na colheita.

É o que explica o engenheiro agrônomo Sálvio Gonçalves, que atua na região do Sul de Minas, e participou do encontro dos Grupos Técnicos em Cafeicultura (GTEC’s Café) promovido pela Syngenta, entre os dias 2 e 4 de abril em Poços de Caldas-MG. “Estamos presenciando um fato histórico na cafeicultura brasileira por conta do clima extremo dos últimos três meses... Nós orientamos os cafeicultores a não realizarem prematura durante o mês de abril, apenas pela aparência e cor do fruto. Ele deve realizar levantamento por amostragem”.

O café também registrou alta no mercado interno, nas principais praças comercializadoras. Em Patrocínio-MG e Varginha a saca de 60 kg do café bebida dura, tipo 6, é comercializada a R$ 480,00. Em Guaxupé-MG, a saca registrou alta de 3,31% hoje e é vendida por R$ 468,00.  

Leia mais:

Mercado internacional reconhece perdas do café no Brasil e preços disparam

Tags:
Por:
Fernanda Bellei
Fonte:
Notícias Agrícolas

2 comentários

  • José Antônio BOA ESPERANÇA - MG

    É...parece que vou também fazer previsão de safra e divulgar com toda (ir)responsabilidade na mídia...virou brincadeira de ma(U)l gosto.

    Pelo amor de Deus, parem de considerar todos os cafeicultores como idiotas!!!

    Quando foi a última vez que a ABIC (indústria) saiu a campo fazendo levantamento de safra com um mínimo de técnica e método científico??? NUNCA!!!!

    Idem IBGE??? NUNCA!!!

    Querem continuar "escravizando" os produtores a vender café abaixo do custo de produção? apenas para aumentarem os lucros cada vez mais exorbitantes de todos os envolvidos pós-porteira?

    FRANCAMENTE......chega!

    0
  • Francisco Lopes Cambé - PR

    Forte Escassez de Café. Não Tem Jeito. O Bicho Pegou.

    Oi pessoal do IBGE, ABIC, vocês não tem vergonha? Vocês são ridículos. É ridícula a estimativa “tendenciosa e furada” de vocês de que a safra brasileira de café será de 46 a 47 milhões de sacas. É mais fácil acreditar em Papai Noel, Duendes, Fadas, Lâmpada de Aladim... Não há como esconder. O campo mostra a verdade. A colheita já começou em Minas e a quebra está sendo de 30% ou mais. Pior: Não tem estoque. Pior: A safra de 2015 será menor. Pior: Haverá quebra também na América Central e no Vietnã. Não tem jeito. O bicho Pegou. Cafeicultor não venda seu café a preço de banana. 0 preço vai subir como rojão. Lembra de 1975 quando houve a geada negra no Paraná. Tinha estoque e o preço disparou às alturas...

    0