Café: exportação em alta e compradores abastecidos apóiam quedas em NY

Publicado em 10/07/2014 09:45 426 exibições

O mercado de café arábica na manhã desta quinta-feira (10) volta a cair na Bolsa de Nova Iorque (Ice Futures US) diante da perspectiva de que os estoques possam compensar o já anunciado déficit na safra brasileira 2014. Às 9h10 minutos, os contratos negociados trabalham com decréscimos de 40 a 65 pontos. 

O vencimento setembro vale 172,50 centavos de dólar por libra-peso. Dezembro e março/2015 perdem 60 pontos e anotam 175,85 cents/libra-peso e 179,15 cents/libra-peso respectivamente. Já maio/2015 trabalha a 181,21 centavos/libra-peso. 

Segundo informações de agências internacionais, os dados de que o Brasil exportou em doze meses 30,48 milhões de sacas de café verde e continua exportando, concluiu-se que esse cenário não mudará. Adicionando a esse número, também os cafés solúveis, a demanda deve ficar em cerca de 33 milhões de sacas nos próximos 12 meses. A demanda interna gira em torno de 20,5 milhões de sacas, totalizando uma necessidade de 54 milhões de sacas. Portanto, se os números da safra brasileira se confirmarem entre 46 a 50 milhões, haverá déficit de cerca de 4 a 8 milhões de sacas. 

Porém, com receio de um valor exorbitante ou da falta do produto, muitos compradores já negociaram os estoques do ano passado, cerca de 10 a 12 milhões de sacas, compensando o déficit da demanda atual. Somados a isso, a Colômbia já anunciou aumento na produção para esse ano.  

Veja como fechou a sessão de ontem:

Cotações do café arábica mudam pouco diante da falta de novas informações

Nenhuma novidade no mercado de café arábica nesta quarta-feira (09). Os índices permaneceram praticamente os mesmos do dia anterior, com queda de 5 pontos para alguns dos principais contratos. Esse cenário mais uma vez indica a falta de novas informações que movimentem significativamente as cotações e as incertezas sobre a safra brasileira que seguem com as mesmas notícias. Enquanto informações internacionais indicam uma safra menos prejudicada, ideias internas são de grande prejuízo e preocupação com a falta de café de qualidade em um futuro bem próximo.

“Há muita especulação por trás disso. As percepções internacionais estão para toda a safra de café do Brasil, que deve girar em torno de 46 milhões como já divulgado, mas separadamente a produção do café conilon (robusta) vai aumentar muito, porque o Espírito Santo não foi tão afetado pela seca”, analisou o diretor comercial da Cocatrel – Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Três Pontas Ltda, Nivaldo Melo Tavares.

O vencimento setembro fechou hoje na Bolsa de Nova Iorque (Ice Futures US) a 172,90 centavos de dólar por libra-peso, decréscimo de 5 pontos, assim como dezembro e março/2015 que encerraram em 176,45 cents/libra-peso e 179,75 cents/libra-peso respectivamente. Maio/2015 seguiu o mesmo índice de ontem e permaneceu em 181,85 centavos/libra-peso.

Em conclusão a análise sobre o mercado, Nivaldo ressaltou: “as áreas de lavoura do café arábica foram todas afetadas, umas mais, outras menos, e uma hora isso vai explodir. Aqui, por exemplo, estamos com 50 a 60% da colheita realizada e a quebra será muito grande, em torno de 35 a 45% e a seca já afetou também a safra do ano que vem”.

 

Tags:
Por:
Talita Benegra
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário