Café: Bolsa de Nova York opera em alta com chuva insuficiente para reverter déficit hídrico

Publicado em 30/09/2014 10:23 344 exibições

A Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica opera em alta na manhã desta terça-feira (29). Por volta das 10h22 (horário de Brasília), o vencimento dezembro/14 registrava 197,80 cents de dólar por libra peso com 240 pontos de alta, o março/ 15 anotava 200,45 cents/lb com 260 pontos de valorização. O contrato maio/15 tinha 202,05 cents/lb com 280 pontos de alta e o julho/15 apresentava valorização de 275 pontos cotado a 202,40 cents/lb.

Mais cedo os contratos operavam no campo negativo.

Na sessão anterior, o mercado fechou em alta com chuva insuficiente para reverter o déficit hídrico nas principais regiões produtoras de arábica. No último final de semana, alguns municípios da região Sul de Minas Gerais receberam as chuvas previstas pela Somar Meteorologia, conforme informação reportada pelo Notícias Agrícolas. A expectativa era de que as precipitações mesmo em baixos volumes pudessem induzir a florada nas regiões produtoras que sofrem com déficit hídrico recorde. No entanto, de acordo com especialistas a chuva não conseguiu reverter a situação crítica na região.

Segundo levantamento realizado pela Organização Internacional do Café (OIC), as temporadas 2014/15 e 2015/16 devem ser marcadas por um déficit no mercado global de café. Segundo o chefe de operações, Mauricio Galindo, a OIC projeta um déficit no mercado de café arábica entre 4 milhões e 5 milhões de sacas em 2014/15.

 

Veja como fechou o mercado nesta segunda-feira:

Café: NY amplia ganhos da sessão anterior com chuva insuficiente para reverter déficit hídrico

Por Jhonatas Simião

Nesta segunda-feira (29), a Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica encerrou as cotações em alta com chuva insuficiente para reverter o déficit hídrico nas principais regiões produtoras de arábica. O contrato dezembro/14 registrou 191,25 cents de dólar por libra peso, com alta de 520 pontos. O março/15 anotou 195,40 cents/lb e o maio/15 fechou com 197,85 cents/lb, ambos os contratos com valorização de 515 pontos. O contrato julho/15 apresentou alta de 505 pontos e encerrou o dia cotado a 199,25 cents/lb.

De acordo com o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães, o dia no mercado cafeeiro foi agitado mais uma vez focado no clima. “Logo na abertura dos trabalhos a sensação de que as recentes chuvas presenciadas, em algumas regiões produtoras, nem de longe reverteram o estresse hídrico vivenciado pelas lavouras fizeram com que as cotações internacionais ganhassem firmeza em suas oscilações e desta forma, resistências foram rompidas”, diz.

Segundo o analista, o mês de outubro deverá ser tão seco como setembro e isso, com certeza, tirará o sono de muitos do setor. “Para amanhã, é provável que esta tônica mercadológica persista e assim, novas rodadas de emoções nas alturas já são esperadas”, afirma Magalhães.

No último final de semana, alguns municípios da região Sul de Minas Gerais receberam as chuvas previstas pela Somar Meteorologia, conforme informação reportada pelo Notícias Agrícolas. A expectativa era de que as precipitações mesmo em baixos volumes pudessem induzir a florada nas regiões produtoras que sofrem com déficit hídrico recorde. No entanto, de acordo com especialistas a chuva não conseguiu reverter a situação.

Segundo o técnico da Cooxupé, Éder Santos, as chuvas na região Sul de Minas foram irregulares em volume e distribuição. “A chuva dessa forma é prejudicial porque deixa a planta desorientada, isso mexe com o metabolismo dos cafezais. Sem chuvas uniformes, os produtores também não conseguem fazer adubação e pulverização nos cafezais piorando ainda mais a situação”, afirma.

De acordo com o produtor de café da cidade de Guapé-MG, Frank Scanavachi, as lavouras de café da região estão murchando e os botões florais em estágio avançado secando antes de abrir com a falta de chuva. "Os produtores estão apavorados e vendo a sua próxima safra de novo sendo consumida pelo sol escaldante", diz o cafeicultor.

>> Café: Déficit hídrico continua na região Sul de Minas com chuva irregular; Em Três Corações, os preços não cobrem os custos

 

Mercado interno

No lado interno, poucos negócios são realizados. De acordo com Magalhães, a conjugação de fatores como dólar em forte alta aliado a ausência de chuvas representativas e por fim, a firmeza das bolsa deixam os preços firmes e os vendedores, literalmente, na defensiva.

 

Arábica tipo 4/5 apresentam alta na BM&FBovespa

O café arábica na BM&FBovespa encerrou a sessão com alta. No tipo 4/5, o vencimento dezembro/14 está cotado a US$ 227,50 a saca de 60 kg com 2,62% de alta. O contrato março/15 finalizou a sessão com US$ 233,90 e valorização de 1,48% e o setembro/15 anotou US$ 240,00 a saca e 2,56 % de alta.

 

Liffe amplia ganhos da sessão anterior

A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) para o café robusta encerrou esta segunda-feira (29) com preços mais altos, após registrar intensa volatilidade durante a sessão. A Bolsa ainda segue influenciada pelas notícias sobre a safra vietnamita. O vencimento novembro/14 finalizou o dia cotado a US$ 1.963 por tonelada com US$ 8 de valorização, o janeiro/15 registrou US$ 1.978 com alta de US$ 9.

 

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário