Café: Nova York registra terceiro dia de alta com preocupação para safra 2015

Publicado em 30/09/2014 17:14 484 exibições

Nesta terça-feira (30), a Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica encerrou as cotações em mais um dia de alta motivado pela questão climática que pode refletir em queda de produção para a próxima safra (2015). Os preços começam a subir consideravelmente próximos aos US$ 2, as cotações bateram nos patamares mais elevados das últimas três semanas. O contrato dezembro/14 registrou 193,35 cents de dólar por libra peso com alta de 210 pontos, o março/15 anotou 197,45 cents/lb com valorização de 205 pontos. O maio/15 fechou com 199,85 cents/lb e julho/15 com 201,25 cents/lb, ambos com alta de 200 pontos.

De acordo com o analista da Safras & Mercado, Gil Carlos Barabach, o cenário climático ainda está no centro das atenções na Bolsa de Nova York. “A chuva irregular que chegou ao Brasil impactou os preços na Bolsa, a previsão do tempo para os próximos dias também vem incomodando os corretores”. Segundo o analista, os mapas meteorológicos dão conta de que o primeiro terço do mês de outubro deve continuar com chuvas irregulares no cinturão produtivo brasileiro. Ainda segundo Barabach, levantamentos privados e externos também motivaram a alta na sessão.

De acordo com o técnico da Procafé, Rodrigo Neves Paiva, as chuvas que caíram na região Sul de Minas — importante produtora de café — não foram suficientes para amenizar o déficit hídrico. “Nós registramos que em Varginha-MG, o mês de setembro teve 45 mm de chuva, mas o esperado era 70 mm. O déficit hídrico na cidade era de 180 mm e agora passou para 211 mm, no município de Boa Esperança-MG, o déficit registrado era de 226 mm, mas aumentou para 256 mm”, afirma.

Segundo Paiva, a situação é crítica pois a partir de 150 mm de déficit, o café entra em estado de murcha. “A situação é bastante incomum com esse déficit que perdura desde meados de janeiro e que vem se acentuando. Ele prejudica muito a planta, tanto no desenvolvimento quanto no ‘pegamento’ da florada”, diz.

De acordo com o técnico da Procafé, caso a região não receba chuvas constantes, regulares e volumosas, a produção da próxima safra pode sofrer perdas consideráveis. Entretanto, ainda não é possível precisar números visto que a região continua a receber chuvas e a principal florada ainda não ocorreu na região.

>> Café: Produção mineira para safra 2015 depende de chuvas

 

Mercado interno

De acordo com Barabach, o dia no mercado foi de mais negócios, diferente dos dias anteriores em que o produtor estava segurando a produção à espera de níveis melhores. Os vendedores aproveitaram o dia para fazer caixa e oxigenar os lucros, segundo o analista. O tipo cereja descascado está cotado a R$ 544,00 a saca de 60 kg, na cidade de Guaxupé-MG. O tipo 4/5 também apresentou alta em relação ao dia anterior e está cotado a R$ 535,00 a saca no município.

 

Tipos 4/5 e 6/7 de arábica fecham em alta na BM&FBovespa

O café arábica tipo 4/5 e 6/7 encerraram suas cotações em alta na BM&FBovespa. No tipo 4/5, o vencimento dezembro/14 está cotado a US$ 229,35 a saca de 60 kg com 0,81% de alta. O contrato março/15 finalizou a sessão com US$ 238,40 e valorização de 1,92% e o setembro/15 anotou US$ 241,50 a saca e 0,63%. No tipo 6/7, o único vencimento negociado foi o setembro/15, que encerrou a sessão cotado a US$ 231,90 a saca de 60 kg com valorização de 2,09%.

 

Em Londres, Robusta mantém alta da sessão anterior

O café robusta na Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) encerrou a sessão desta terça-feira (30) com alta. O vencimento novembro/14 finalizou o dia cotado a US$ 1.992 por tonelada com US$ 29 de valorização, o janeiro/15 também registrou alta de US$ 29 valendo US$ 2.007 por tonelada e o março/15 anotou US$ 2.018 por tonelada com alta de US$ 28.

 

Veja as cotações completas de café nesta terça-feira (30).

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário