Café: NY opera em alta com chuva insuficiente para aliviar possível déficit de oferta para safra 2015

Publicado em 21/10/2014 10:16 246 exibições

A Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica opera em alta na manhã terça-feira (21). No início da sessão houve um movimento de realização de lucros e informações sobre chuvas ainda pairavam sobre a bolsa americana. No entanto, por volta das 10h30 o mercado virou com informações de que a chuva não seria suficiente para aliviar um possível déficit de oferta com os danos causados pela seca.

Por volta das 11h08, o contrato dezembro/14 registrava 199,65 cents de dólar por libra peso com alta de 25 pontos, o março/15 anotava 203,90 cents/lb com valorização de 40 pontos e o maio/15 trabalhava com elevação de 45 pontos cotado a 206,05 cents/lb.

De acordo com o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães, a bolsa vem precificando a questão climática intensamente. “Nas últimas semanas o mercado subiu bastante com a seca, depois caiu com a possibilidade de chuva”, afirma.

Entretanto, segundo o analista, os operadores estão atentos aos mapas climáticos e boatos com relação a situação das lavouras cafeeiras no Brasil que seguem afetadas pela seca e que podem reduzir a produção em 2015. “A chuva que caiu não foi representativa e nem generalizada, assim não reverteu o esgotamento das plantas que sofrem com a seca desde o início do ano”, diz.

Ainda de acordo com Magalhães, a intensa volatilidade registrada nas primeiras horas da sessão representam um mercado em busca de um ponto de equilíbrio.

Segundo Magalhães, na próxima semana há previsão de que as chuvas sejam mais constantes do que as registradas no fim da semana passada.

Na sessão anterior, o mercado registrou baixa com as chuvas registradas em importantes regiões produtoras. Segundo a Commodities Weather Group (CWG) mais de 30% das regiões cafeeiras do Sudeste do Brasil receberam chuvas ao longo das últimas 72 horas.

Veja como fechou o mercado do café na última segunda-feira:

NY fecha com baixa de mais de mil pontos com chuva no Brasil; temperaturas altas ainda preocupam produtores

Por Jhonatas Simião

Baixas de mais de mil pontos, intensa volatilidade e operadores extremamente atentos aos mapas climáticos em um dia de adrenalina, assim foi a sessão desta segunda-feira (20) na Bolsa de Nova York para o café arábica. As cotações despencaram com a chuva nas principais regiões produtoras do grão.

O contrato dezembro/14 registrou 199,40 cents de dólar por libra peso e queda de 1125 pontos, o março/15 anotou 203,50 cents/lb com desvalorização de 1110 pontos. O maio/15 encerrou a sessão cotado a 205,60 cents/lb com baixa de 1105 pontos e o julho/15 teve recuo de 1085 pontos com 207,15 cents/lb.

De acordo com o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães, a semana começou marcada por fortes oscilações e o mercado precificando a chuva que caiu nas regiões produtoras. No entanto, de acordo com cafeicultores ouvidos pelo Notícias Agrícolas as precipitações não foram volumosas.

"A possibilidade de chuva nas regiões produtoras de café indicou venda nos terminais e assim, o campo negativo de forma contundente acabou ficando prevalecido durante as operações", afirma o analista.

Segundo a Commodities Weather Group (CWG) mais de 30% das regiões cafeeiras do Sudeste do Brasil receberam chuvas ao longo das últimas 72 horas.

Ainda segundo Magalhães, o movimento passou um pouco dos limites já que a chuva propriamente dita não caiu na proporção esperada e ao que parece, o resto da semana deverá ser, outra vez, com seca e temperaturas em elevação.

O analista acredita que mesmo com chuvas caindo nos próximos dias nas principais regiões produtoras de café, as precipitações não devem ser suficientes para reverter o déficit hídrico. "Na melhor das hipóteses, as chuvas amenizarão o calor e quem sabe, darão saúde as lavouras para aguentar o resto do ano que teremos pela frente e o verão que já se aproxima", explica.

Em entrevista ao site o Presidente do Sindicato Rural de Altinópolis-SP, João Abrão, fala em manipulação de mercado visto que a chuva não deve amenizar as perdas para a produção de 2015.

>> Cotações do café arábica operam em baixa na Bolsa de Nova Iorque com chuvas no Brasil - João Abrão | Presidente do Sindicato Rural de Altinópolis/SP

Clima

Segundo informações reportadas pela agência internacional de notícias Reuters, as áreas produtoras de café começaram a receber chuvas moderadas, provavelmente marcando o início de condições mais chuvosas de primavera nas próximas semanas.

De acordo com o meteorologista da Somar Meteorologia, Marco Antonio dos Santos, as altas temperaturas no período da tarde vão prevalecer. Ou seja, o tempo ainda vai ser uma preocupação para os produtores de café. Chuvas generalizadas devem voltar a região central e Sudeste a partir de quinta-feira da próxima semana.

Mercado interno

De acordo com Magalhães, no Brasil os produtores continuam realizando poucos negócios mesmo com a intensa volatilidade nas bolsas internacionais. "A maioria dos envolvidos preferiu ficar fora do mercado à espera de uma melhor claridade dos fatos para daí sim poder voltar as praças de comercialização dentro de um cenário mais claro e com menos adrenalina", afirma.

O Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 registrou baixa na sexta-feira (17) e está cotado a 493,18 a saca de 60 kg desvalorização de 2,99%.

Seguindo Nova York, os preços no mercado interno registraram queda na maior parte das praças. Na cidade de Guaxupé-MG, o tipo cereja descascado está cotado a R$ 535,00 a saca de 60 kg com queda de 4,80%. É o maior preço das cooperativas para o tipo no dia. O arábica tipo 4/5, registrou preço mais elevado na cidade de Varginha-MG com R$ 510,00 a saca e recuo de 1,92% em relação à sessão anterior.

Seguindo NY, tipo 4/5 finaliza em baixa

As cotações do café arábica tipo 4/5 finalizaram mais um dia no negativo na BM&F Bovespa. O vencimento dezembro/14 encerrou com US$ 224,00 a saca de 60 kg e baixa de 5,84%, o março/15 anotou US$ 233,00 e queda de 5,67% e o setembro/15 registrou recuo de 4,79% com US$ 248,50. O tipo 6/7 não teve negócios durante a sessão.

Robusta eleva perdas em Londres

As cotações do café robusta na Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) ampliaram a baixa na sessão desta segunda-feira (20) com as perdas na Bolsa de Nova York. A valorização do dólar ante o real dando ainda maior competitividade para o país nas exportações também influenciou na queda.

O contrato novembro/14 está cotado a US$ 2.050,00 por tonelada com desvalorização de 67 pontos e o janeiro/15 apresentou baixa de 70 pontos valendo US$ 2.059,00 por tonelada.

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário