Café: NY opera em alta nesta quinta-feira após fechamento no campo misto na sessão anterior

Publicado em 13/11/2014 09:59 e atualizado em 13/11/2014 14:30 160 exibições

Na manhã desta quinta-feira (13), os preços do café operam com leve alta na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). Por volta das 15h29, o contrato dezembro/14 registrava 188,40 cents de dólar por libra peso com alta de 400 pontos, o março/15 anotava 192,80 cents/lb com valorização de 405 pontos, o maio/15 tinha 410 pontos de alta com 195,25 cents/lb e julho/15 tinha 197,70 cents/lb com alta de 430 pontos.

De acordo com o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães com o recente rebaixamento dos níveis praticados os mesmos ficaram atrativos deixando o mercado com um pouco mais de ímpeto comprador. Essa tendência já vinha sendo registrada na sessão anterior.

Com relação à questão climática, Magalhães afirma que tudo indica que na segunda quinzena de novembro e talvez até na primeira de dezembro, a estiagem voltará a dar tônica do setor produtivo no Brasil.

“A chuva subiu no mapa e deve atingir o Agreste e o Norte. Mas o Sul e o Sudeste devem voltar a ter temperaturas altas, sem previsão de chuvas representativas e generalizadas”, diz o analista. Ainda segundo Magalhães, esse fator pode impulsionar alta nos próximos dias nas cotações.

No mercado interno, os produtores não estão indo as praças de comercialização oferecer o café in dependente de dólar ou bolsa, mas os preços estão sustentados mesmo com a cotação do dólar que subiu nos últimos dias.

Veja as cotações completas de café nesta quarta-feira (12).

Veja como fechou o mercado nesta quarta-feira:

Cotação do café em NY fecha em campo misto e com pouca variação; clima deve impulsionar alta nos próximos dias, diz analista

Por Jhonatas Simião

A Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica encerrou esta quarta-feira (12) com preços no campo misto. Durante a sessão, as cotações chegaram a operar nos dois níveis, mas investidores preferiram aguardar informações climáticas sobre os próximos dias no cinturão produtivo.

Pela manhã, o mercado dava continuidade ao movimento positivo registrado na sessão anterior, quando as principais posições fecharam o dia subindo mais de 200 pontos estimuladas por movimentos de recompras técnicas e com as chuvas perdendo força no cinturão produtivo brasileiro. No período da tarde, as especulações climáticas também influenciaram baixa de quase 100 pontos.

No encerramento da sessão, os investidores demonstraram consolidação do atual espaço de trabalho e não houve motivos para grandes movimentações especulativas.

Com isso, o vencimento dezembro/14 registrou 184,40 cents de dólar por libra peso com baixa de 15 pontos, o março/15 anotou 188,75 cents/lb, mesmo preço da sessão anterior, o maio/15 teve queda de 5 pontos com 191,15 cents/lb e o julho/15 encerrou a sessão estável com 193,40 cents/lb.

Segundo o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães, com o recente rebaixamento dos níveis praticados os mesmos ficaram atrativos deixando o mercado com um pouco mais de ímpeto comprador.

“Durante a sessão houve um movimento forte de recompra e mesmo o dólar trabalhando acima de US$ 2,55 continuamos a ver níveis positivos indicando que recompras já começaram a ser feitas em função do barateamento excessivo dos níveis internacionais”, afirma o analista.

Com relação à questão climática, Magalhães afirma que tudo indica que na segunda quinzena de novembro e talvez até na primeira de dezembro, a estiagem voltará a dar tônica do setor produtivo no Brasil.

“A chuva subiu no mapa e deve atingir o Agreste e o Norte. Mas o Sul e o Sudeste devem voltar a ter temperaturas altas, sem previsão de chuvas representativas e generalizadas”, diz o analista da Maros Corretora. Ainda segundo Magalhães, esse fator pode impulsionar alta nos próximos dias nas cotações.  

Mercado interno

Segundo Magalhães, os vendedores estão retraídos e à espera do ano de 2015. Não há liquidez nas praças de comercialização deixando os preços vigentes independente de dólar ou bolsa, firmes e praticamente sem negócios.

O Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 registrou alta de 0,91% na terça-feira (11) e está cotado a R$ 453,57 a saca de 60 kg.

O tipo cereja descascado teve maior valor de negociação na cidade de Guaxupé-MG, onde a saca de 60 kg está cotada a R$ 550,00, mesmo valor do dia anterior. O tipo 4/5 de café arábica também anotou preço maior na cidade mesmo com estabilidade e está saindo R$ 540,00 a saca. O tipo 6 duro também teve maior valor em Guaxupé com R$ 487,00 e sem diferença de preço em relação ao dia anterior.

Tipo 4/5 registra campo misto na BM&F

As cotações do café arábica tipo 4/5 encerraram no campo misto na BM&F Bovespa. O vencimento dezembro/14 encerrou o dia com US$ 216,50 a saca de 60 kg e queda de 0,18%, o março/15 anotou US$ 221,50 e valorização de 0,73% e o setembro/15 teve baixa de 0,22% cotado a US$ 231,00 a saca. Para o tipo 6/7 não houve negócios.

Liffe fecha com alta em Londres

As cotações do café robusta na Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) fecharam em alta nesta quarta. O contrato novembro/14 está cotado a US$ 2.037,00 por tonelada com valorização de US$ 6 por tonelada e o janeiro/15 teve US$ 2.041,00 por tonelada e alta de US$ 10 por tonelada.

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário