Café: Após alta expressiva na sessão anterior, NY anota queda nesta quinta-feira

Publicado em 20/11/2014 09:52 e atualizado em 20/11/2014 17:36 200 exibições

Na manhã desta quinta-feira (20), os preços do café operam com baixa na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). Por volta das 13h50, o contrato dezembro/14 registrava queda de 400 e estava cotado a 193,85 cents/lb, o março/15 anotava 194,60 cents/lb com desvalorização de 450 pontos, o maio/15 tinha 197,10 cents/lb com recuo de 435 pontos e o julho/15, mais distante, tinha 197,35 cents/lb com 615 pontos negativos.

Segundo o consultor da Safras & Mercado, Gil Carlos Barabach, o mercado opera em queda com fatores técnicos. “Os operadores estavam testando a linha dos US$ 2 por libra peso na sessão de ontem e até conseguiram romper, mas o fechamento foi abaixo. E agora pela manhã, essa queda mostra a falta de força”, afirma.

Ainda de acordo com Barabach, dentre os fundamentos do mercado ainda estão a questão climática no cinturão produtivo e a safra 2015/16, que vem sendo afetada pela seca histórica desde o início do ano.

De acordo com previsões climáticas, as cidades produtoras mais ao sul do cinturão de café devem receber chuvas já nesta semana com umidade da Amazônia espalhando-se pela região. Uma nova frente fria vinda do Sul do país neste fim de semana também deve beneficiar precipitações volumosas na próxima semana.

Porém, segundo Barabach, o mercado não está mais trabalhando tanto em cima da questão climática como em outubro e essas chuvas não devem impulsionar fortes quedas. “O mercado pode corrigir um pouco, mas não acredito que tenha variações expressivas”, afirma.

Outro fator a ser destacado e que deve mexer com os ânimos dos investidores na sessão de hoje é a questão cambial. Por volta das 10h33, o dólar operava com queda de 0,22% cotado a R$ 2,57 na venda. De acordo com analistas, a informação de que o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, foi convidado pela presidente Dilma Rousseff para ser o novo ministro da Fazenda influenciou a queda na moeda norte-americana.

Precipitação nos munícipios atendidos pela Cooxupé

Nos últimos dois dias, nenhum dos municípios atendidos pela Cooxupé receberam chuvas. No acumulado do mês, as cidades que mais receberam precipitações foram Coromandel-MG com 185,00 mm, Cabo Verde-MG com 132,4 mm e Monte Santo de Minas com 118,0 mm e os munícipios que menos receberam no mês foram Campos Gerais-MG, Rio Paranaíba-MG e Campestre-MG. (Veja a tabela abaixo)

Precipitação novembro Cooxupé

Veja as cotações completas de café nesta quinta-feira (20).

Veja como fechou o mercado nesta quarta-feira:

Café: NY registra alta de mais de 600 pontos com recompras nesta 4ª feira; chuvas volumosas voltam na próxima semana

Por Jhonatas Simião

A Bolsa de Nova York (ICE Futures US) para o café arábica encerrou esta quarta-feira (19) com alta expressiva em relação às sessões anteriores. O vencimento dezembro/14 registrou 197,85 cents de dólar por libra peso com alta de 675 pontos, o março/15 anotou 199,10 cents/lb com 620 pontos de avanço, o maio/15 teve 201,45 cents/lb com valorização de 615 pontos e o julho/15 encerrou a sessão cotado a 203,50 cents/lb com 600 pontos positivos.

De acordo com o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães, as bolsas buscaram o campo positivo e se aproximam dos US$ 2 por libra peso em função da insegurança climática e com recompras sendo realizadas durante a sessão.

“A tendência que temos é de clima imprevisível, safra do ano que vem aquém das possibilidades, dólar pra cima, bolsas em alta, ansiedades no limite e preços do café firmes no mercado interno”, afirma.

O analista de mercado também pondera que com a seca histórica neste ano no cinturão produtivo, a safra do próximo fica comprometida. Em contrapartida, a demanda cresce ano a ano. “A única certeza que o setor cafeeiro tem é que o consumo só cresce”, explica.

De acordo com informação reportada pela Reuters nesta quarta-feira, a demanda global por café pode crescer 2,5% ao ano até o final de 2020, o crescimento se deve a expansão do mercado em países como a China e Rússia.

» OIC vê demanda global de café crescendo 2,5% por ano até 2020

Segundo informação pela mesma agência, as cidades produtoras mais ao sul do cinturão de café devem receber chuvas a partir desta quarta com umidade da Amazônia espalhando-se pela região. Uma nova frente fria vinda do Sul do país neste fim de semana também deve beneficiar precipitações volumosas na próxima semana.

» Chuvas pesadas devem ocorrer em áreas de café na próxima semana

Em contrapartida, em entrevista ao Notícias Agrícolas na manhã desta quarta, o técnico da Procafé, Alysson Fagundes, afirmou que as chuvas não se confirmam no Sul de Minas e com isso, a perspectiva de prejuízo para a safra do ano que vem só aumenta.

» Chuvas não se confirmam no Sul de Minas e perspectiva de prejuízo aumenta

Mercado interno

No físico, os preços continuam firmes com cafeicultores segurando um pouco as vendas porque se recusam a entregar o café pelo preço ofertado e aguardam informações mais concretas com relação a produção de café para safra 2015/16.

O Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 registrou alta de 1,15% na terça-feira (18) e está cotado a R$ 468,05 a saca de 60 kg.

O tipo cereja descascado teve maior valor de negociação na cidade de Guaxupé-MG com R$ 570,00 a saca de 60 kg e valorização de 0,53%. O tipo 4/5 de café arábica também anotou maior valor na cidade com R$ 560,00 a saca e elevação de 0,54% em relação ao dia anterior e o tipo 6 duro anotou maior valor em Franca-SP, onde a saca está a R$ 520,00 e em Varginha-MG, onde anotou o mesmo valor, o tipo teve alta, respectivamente, de 5,05% e 4,00% nas cidades.

» Clique e veja as cotações do mercado interno nesta quarta-feira (19)

Tipo 4/5 registra alta na Bovespa

As cotações do café arábica tipo 4/5 fecharam com valorização na BM&F Bovespa. O vencimento dezembro/14 encerrou o dia com US$ 238,00 a saca de 60 kg e alta de 3,70%, o março/15 anotou US$ 239,00 e valorização de 4,37% e o setembro/15 está cotado a US$ 247,50 a saca com de 2,70% positivos. Para o tipo 6/7, foi mais um dia sem negócios.

Robusta registra alta na Liffe

As cotações do café robusta na Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) também registraram alta na sessão desta quarta-feira. O contrato novembro/14 está cotado a US$ 2.084,00 por tonelada com valorização de US$ 16 por tonelada e o janeiro/15 teve US$ 2.089,00 por tonelada com alta de US$ 21 por tonelada.

Tags:
Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário