Café: Bolsa de Nova York sobe 300 pts nesta 2ª feira e vencimentos voltam a US$ 1,45/lb

Publicado em 20/03/2017 17:42
267 exibições

Os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fecharam a sessão desta segunda-feira (20) com alta de mais de 300 pontos nos principais vencimentos diante de um dólar mais fraco, fator que impacta as exportações, e com recompras de fundos sendo registradas no mercado. Com esse avanço, os contratos mais próximos do grão voltaram ao patamar de US$ 1,45 por libra-peso.

O vencimento março/17 encerrou o dia cotado a 144,00 cents/lb com 320 pontos de alta, o maio/17, referência de mercado, anotou 145,25 cents/lb também com valorização de 320 pontos. Já o contrato julho/17 encerrou o dia com 147,60 cents/lb com avanço de 325 pontos e o setembro/17, mais distante, também subiu 325 pontos, fechando a 149,90 cents/lb. Essa é a terceira sessão seguida de alta.

"Refletindo, sobretudo, a valorização da moeda brasileira, os compradores se mostraram mais ativos no terminal norte-americano. O fechamento acima dos 145,00 cents/lb foi positivo para sequência dos pregões da semana, gerando expectativa que os ganhos deem sequência", disse em relatório o analista de mercado da Origem Corretora, Anilton Machado.

Com investidores cautelosos diante da possibilidade de entrada de menos recursos no país por conta das exportações menores em decorrência da operação Carne Fraca, o dólar comercial operou em baixa durante boa parte da sessão desta segunda. A moeda norte-americana caiu 0,94%, vendida a R$ 3,0717. O dólar mais baixo em relação ao real desencoraja as exportações da commodity, com isso os preços externos do grão tendem a subir.

"No início, o nervosismo de alguns agentes amplificou no giro mais fraco. Quando o volume aumentou, prevaleceu o fundamento, com os investidores olhando o desempenho das moedas no exterior", disse à Reuters o economista-chefe da corretora BGC Liquidez, Alfredo Barbutti.

Pela manhã, o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães, afirmou que as bolsas para o café operavam do lado azul da tabela com recompras sendo registradas, "nada que possa revalidar um novo rally de alta, mas apenas ajustes técnicos", disse em seu boletim diário Dia a Dia no Campo. "A indicação é de que tenhamos dias tranquilos", reportou.

Em menor intensidade, o clima também dá suporte às cotações do arábica na ICE. No fim de semana choveu em algumas áreas produtoras, mas os volumes foram irregulares. Nos próximos dias, a instabilidade deve continuar sobre o cinturão produtivo, porém ainda com baixos volumes acumulados.

O Rabobank, um dos maiores bancos especializados em commodities do mundo, reportou na semana passada que a safra 2017/18 de café arábica do Brasil deve totalizar 36,7 milhões de sacas de 60 kg, ante 42 milhões de sacas em 2016. "Com uma perspectiva menor para o arábica neste ano e com as expectativas de que o real (brasileiro) permaneça estável, nos sentimos confortáveis ​​com uma previsão de preços para o primeiro semestre de 2017 acima do mercado atual", disse em relatório o analista sênior de commodity do Rabobank, Carlos Mera.

Mercado interno

Os negócios internos com café seguiram no mesmo ritmo dos últimos dias nas praças de comercialização do Brasil nesta segunda-feira. Só aparece ao mercado o produtor que realmente necessita de caixa. Os preços ofertados pelo café no país estão distantes do desejo do produtor, uma vez que o mesmo conseguiu negociar sua produção a patamares mais altos nos últimos meses.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação no dia em Espírito Santo do Pinhal (MG) com R$ 530,00 a saca – estável. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Poços de Caldas (MG) com R$ 531,00 a saca e alta de 1,92%.

O tipo 4/5 anotou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com 548,00 a saca – estável. A maior oscilação dentre as praças no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) que teve valorização de 1,64% e saca a R$ 497,00.

O tipo 6 duro teve maior valor de negociação no Oeste da Bahia com saca a R$ 501,00 e alta de 0,20%. A maior oscilação no dia ocorreu em Patrocínio (MG) com alta de 2,4 e saca a R$ 500,00.

Na sexta-feira (17), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 488,70 com alta de 0,06%.

» Clique e veja as cotações completas de café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário