Cofco estima queda de 15% na safra de café do Brasil, mas prevê salto em 2018

Publicado em 21/04/2017 19:07 e atualizado em 22/04/2017 06:39
629 exibições

LOGO REUTERS

Por Marcelo Teixeira

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de café do Brasil em 2017 deve cair entre 15 e 20 por cento na comparação com o ano passado, mas deverá recuperar-se fortemente em 2018 devido aos melhores cuidados com a safra, disse o diretor global de café da trading chinesa Cofco, Joseph Reiner, em entrevista à Reuters nesta quinta-feira.

Reiner disse que a equipe de pesquisa da Cofco, após visitar diversas áreas produtivas no maior produtor de café do mundo, confirmou que a maior parte das fazendas produzirá menos devido ao ano de baixa no ciclo bienal das lavouras, que alterna safras maiores com menores. Os pés geralmente perdem vitalidade após grandes colheitas.

"Do que a gente viu, várias regiões de arábica terão produção menor e a gente percorre bastante. Em torno de 15 a 20 por cento menos. Mais perto de 15 por cento", disse Reiner, que assumiu o cargo neste ano após 11 anos na fabricante de chocolates norte-americana Mars.

O Brasil produziu uma safra recorde de café de 51,37 milhões de sacas no ano passado.

A Cofco Agri está trabalhando para integrar as operações de café da Noble no Brasil após concluir a aquisição da operadora de commodities asiática, até então sua rival, em março de 2016. Com a aquisição, ela tornou-se uma das 15 maiores empresas atuantes no mercado de exportação de café do Brasil.

Reiner disse que muitos produtores de café decidiram adotar a poda mais agressiva após a produção mais alta no ano passado, uma vez que já esperavam uma produção menor neste ano.

Isso enfatizaria o ano de baixa em algumas regiões, mas prepararia bem as lavouras para 2018, quando os pés devem estar preparados para produzir bem.

"A gente tem uma promessa de uma safra bastante volumosa para o ano que vem", disse ele, acrescentando que outro fator que apoia esses indicativos são as áreas recém-plantadas.

Reiner disse que seu time observou produtores expandindo as lavouras de café, algo que a Organização Internacional de Café (OIC) também notou em seu último relatório.

Essa situação de uma safra significativamente menor em 2017 e uma produção potencialmente muito maior em 2018 criará uma situação interessante no mercado, disse ele, com a oferta muito limitada no início de 2018.

Reiner afirmou que as indústrias de café terão de avaliar cuidadosamente sua situação de estoques, para não ficar sem o produto quando a crise da oferta chegar, e para não ter muitos estoques quando a safra de 2018 começar.

A Cofco planeja aumentar seus volumes no Brasil, embora o executivo tenha se recusado dar uma meta.

"Vamos usar as ferramentas que a companhia tem, nossa força financeira, capacidade de logística, para dar um serviço melhor aos clientes. Deste modo, acredito que aumentaremos os volumes."

O mercado de exportação de café no Brasil é dominado pela Cooxupé, maior cooperativa de produtores de café do mundo. Entre as cinco maiores empresas estão a operadora asiática Olam e Terra Forte e Ecom.

Tags:
Fonte: Reuters

1 comentário

  • ELDER GIORI BALDON Nova Venécia - ES

    Produtores, parem de plantar café... Já ouviram falar que menos é mais??!!. Menos áreas plantadas, menos gasto em geral, menores safras. Resultado: maior preço do produto, maior lucro e mais tempo para vc e sua família. Se o produtor brasileiro não se organizar e ter uma comunicação voltada para controlar a produção , a fim de parar com essa mania de safra recorde, vai sempre sofrer com preços baixos. Produzindo menos, ganhando mais. Matemática, meus amigo...

    1
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. Elder, as regras de mercado que nós estamos sujeitos desde a implantação da lavoura até os grãos de café prontos e ensacados, são as leis de livre mercado, mas a partir do momento que vamos comercializar a produção, mudam-se as regras e as leis de mercado, aí estamos sob as leis de mercado do oligopólio, às vezes encontramos, por momentos, o monopólio. ... Para mudar essa realidade, deve-se mudar os privilégios das "leis engendradas a quatro mãos & quatro paredes". ... Explico: São as leis que privilegiam certos grupos da cadeia de produção e/ou da industrialização. Normalmente elas são redigidas a "quatro mãos, ou seja, pela Frente Parlamentar da Agricultura (FPA) & os grupos interessados (Cartel das Industrias). ...Elas servem para afastar novos investidores e impedir que aquele grupo e/ou grupos percam mercado, ou seja, poder de manipulação. ... O que o Sr. acha da nova moda (Café em capsula com sabores vários) ???

      0
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Pois é RENSI mas a ideia do Elder e reduzir produção..reduzir oferta e subir preço..isto é um jogo do mercado e o produtor tem que aprender a fazer e não ser o BOBO que os outros fazem...olha os abates de bovinos..paralisaram plantas pra aumentar a oferta e derrubar preços..queriam importar conilom para diminuir a procura e cair preço;;;meu amigo Rensi se todos fazem a classe rural também tem o direito e deve usar ferramentas de mercado como todos os outros participantes..ele não pode ser o trouxa...

      0
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. Dalzir, acho que a ideia dele não leva em conta que o mercado tem as suas próprias leis. ... Veja o caso do trigo no Brasil, sempre fomos importadores, atualmente há a necessidade de se importar mais de 50% do consumo nacional e, os produtores amargam preços que não cobrem o custo de produção. ... No café o Brasil ainda é o maior produtor mundial do arábica, mas do jeito que as coisas vão, com a mudança de hábitos de consumo, por exemplo as cápsulas com "sabores exóticos" à bebida do café, rouba sutilmente o valor da bebida, aí os cafés robustas que têm uma bebida neutra podem muito bem suprir o mercado. ... Veja que o café arábica está na beira do precipício !!!... Qualquer brisa lança-o ao buraco do esquecimento !!

      0
    • VICTOR ANGELO P FERREIRA VICTORVAPFNEPOMUCENO - MG

      O GOSTO, o PALADAR estão na ordem do dia para serem desvalorizados...A carne de porco, o frango e a carne de boi e os peixes já não tem gosto algum e são vendidos da mesma maneira por imposição do mercado...Agora querem desmantelar as classificações das bebidas, acabar com o que eles acham ser um ritual, mas que na verdade centenária é a verdadeira separação do gosto bom do ruim...A perda da soberania do nosso pais tem seus reflexos danosos e vai aos poucos atingindo a todos nós...

      0
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      Concordo com o Sr. Rensi e Sr. Victor, são os golpes finais no que sobrou das tradições centenárias do Brasil. Nunca a soberania nacional foi tão entregue como nessa época de governos esquerdistas, estes sim os verdadeiros "entregadores" da nação aos globalistas.

      0
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Ah! Esqueci de citar o Vietnam, produtor do café robusta e que vem ano a ano conquistando mercados, pois o seu método de produção tem uma das ferramentas de maior relevância, custos muito mais desvalorizados em relação aos outros produtores. Qual é essa ferramenta? ... RESPOSTA: MÃO-DE-OBRA !!!

      0
    • RODRIGO POLO PIRESBALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC

      E interessante Sr. Rensi é que para importar um carro dos EUA é praticamente impossivel, o governo tem interesse em proibir a importação por que fatura muito em cima dos brasileiros, mas em relação ao café e outros produtos primários que empregam milhares de pessoas querem ser mais liberais que os libertários. Mais que tudo o que esses comunistam querem é destruir a cultura do povo brasileiro, coisa que vem sendo feita à pelo menos 50 anos, através das Anvisas da vida, que com suas politicas massacrou e destruiu os produtores brasileiros.

      0
    • VICTOR ANGELO P FERREIRA VICTORVAPFNEPOMUCENO - MG

      Estamos entrando na era do individualismo...Nada de associações e sim liberdade para exercer um comércio livre de amarras...Principalmente uma era que se imponha um governo forte, o que infelizmente não é o nosso caso...Vejam a Europa querendo se livrar dela mesmo...as individualidades dos países foram podadas sem querer...As tradições, as moedas etc foram pro beleléu neste 60 anos de unidade européia...O Brasil está perdendo também, não por causa do Mercosul é sim porque não existe governo...Caso típico, raro no mundo...vai se desmilinguando sozinho...

      0
    • VICTOR ANGELO P FERREIRA VICTORVAPFNEPOMUCENO - MG

      desmilinguindo

      0