Café: Bolsa de Nova York recua cerca de 50 pts nesta 4ª com divulgação do Rabobank e reverte ganhos

Publicado em 14/03/2018 17:46 e atualizado em 22/03/2018 14:38
282 exibições

LOGO nalogo

As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta quarta-feira (14) com baixa próxima de 50 pontos. Depois da alta de mais de 200 pontos na véspera, o mercado externo do grão se acomoda tecnicamente, segue acompanhando as oscilações cambiais e a atualização do Rabobank sobre a produção mundial.

O contrato maio/18 anotou 121,05 cents/lb com baixa de 50 pontos. O vencimento julho/18 fechou o dia a 123,20 cents/lb com recuo de 60 pontos e setembro/18, mais distante, fechou a sessão a 125,35 cents/lb com baixa de 60 pontos. Essa baixa reverte parte dos ganhos da véspera.

O Rabobank, um dos maiores bancos especializados em commodities do mundo, elevou de 1,5 milhão de sacas para 2,6 milhões sua estimativa de superávit mundial na safra de 2017/18 e também atualizou de 900 mil para 3,2 milhões de sacas sua previsão de superávit na próxima temporada. A mudança reflete esperanças de melhora na colheita de países como a Etiópia e Nicarágua.

Essa atualização ajudou na pressão do mercado, mas operadores também seguem acompanhando o desenvolvimento da safra brasileira. "Esperamos uma colheita abundante nessas áreas [Zona da Mata de Minas Gerais e Espírito Santo", disse Mera, confirmando os resultados revelados na semana passada após um tour em lavouras do país. Outras áreas apresentam problemas com pragas.

O câmbio também tem impactado o mercado nos últimos dias, já que influencia diretamente nas exportações da commodity. No entanto, no fim dos trabalhos desta quarta, a repercussão sobre o mercado foi quase neutra, mas o arábica chegou a oscilar dos dois lados da tabela. O dólar comercial recuou 0,03%, cotado a R$ 3,2610 na venda, acompanhando o exterior.

O Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil) informou na sexta-feira que as exportações de café no país totalizaram 2,35 milhões de sacas em fevereiro, com receita cambial chegando a US$ 377.240 mil. Uma queda de cerca de 9% no volume embarcado em relação ao mesmo período do ano anterior.

Mercado interno

O mercado brasileiro segue com baixo volume de negócios, já que as cotações têm sido pressionadas pela aproximação da colheita da safra 2018/19. "As negociações têm seguido em ritmo ainda mais lento que as de robusta, visto que muitos compradores só devem adquirir bons volumes do grão com a entrada da safra 2018/19", disse em nota o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Poços de Caldas (MG) com saca a R$ 476,00 e queda de 0,42%. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Guaxupé (MG) com queda de 1,04% e saca a R$ 475,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Poços de Caldas (MG) com saca cotada a R$ 466,00 e desvalorização de 0,43%. A maior oscilação dentre as praças no dia ocorreu em Varginha (MG) com recuo de 1,15% e saca a R$ 430,00.

O tipo 6 duro anotou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 450,00 – estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Espírito Santo do Pinhal (SP) com desvalorização de 3,00% e saca a R$ 420,00.

Na terça-feira (12), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 434,54 e alta de 1,10%.

» Clique e veja as cotações completas de café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário