Café: Cotações do arábica caem mais de 400 pts na sessão desta 6ª em NY e estendem perdas

Publicado em 30/11/2018 17:40
437 exibições

LOGO nalogo

As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta sexta-feira (30) com forte queda. O mercado externo segue em realização de lucros ante as altas recentes, mas também acompanhou o câmbio durante o dia. Na semana, foi registrada uma queda de 3,20%.

O vencimento dezembro/18 encerrou o dia com queda de 525 pontos, a 103,25 cents/lb, e o março/19 recuou 495 pontos, cotado a 107,35 cents/lb. Já o contrato maio/19 registrou 110,25 cents/lb com perdas de 490 pontos e o julho/19 registrou 112,90 cents/lb e 490 pontos de desvalorização.

O mercado externo do arábica registrou queda desde o início dos trabalhos desta sexta. Um movimento de realização de lucros teve sequência ante as últimas altas, favorecendo as perdas no dia. Além disso, o câmbio também tem sido um importante fator de pressão às cotações externas da variedade.

Apesar de avançar durante o dia, o dólar comercial acabou fechando a sessão próximo da estabilidade, com queda de 0,04%, a R$ 3,8558 na venda, com investidores bastante cautelosos e aguardando o encontro dos presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping.

As oscilações cambiais impactam diretamente nas exportações da commodity. "A produção brasileira não está encontrando seu caminho para o mercado devido à força do real contra o dólar", disse em relatório na véspera o vice-presidente da Price Futures Group, Jack Scoville.

"A cessão onerosa pode fazer o dólar cair, se for votada semana que vem... Se passar, mercado vai entender que foi conquista da articulação do novo governo, então pode ter um mini rali", disse para a agência de notícias Reuters o presidente da BeeTech, Fernando Pavani.

Do lado fundamental, operadores seguem atentos com as informações sobre a safra brasileira e oferta. "Os especuladores estavam negociando acompanhando as previsões do tempo no Brasil e as ideias de grande oferta", disse Scoville. A safra brasileira está em pleno desenvolvimento.

O Rabobank, um dos maiores bancos especializados em commodities, relatou recentemente informações de amplas ofertas em países da América Central e apontou ainda que grãos com boa qualidade relatada têm potencial de elevar os estoques certificados da ICE Futures US.

Mercado interno

O mercado brasileiro de café seguiu com negócios pontuais durante toda a semana. "Esse cenário se deve aos feriados no Brasil e também nos Estados Unidos, que deixaram muitos agentes fora do mercado nos últimos dias, limitando o fechamento de novos negócios", disse em nota o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Varginha (MG) (-1,08%), Espírito Santo do Pinhal (SP) (estável), Franca (SP) (-2,13%), ambas com saca a R$ 460,00. A maior oscilação dentre as praças no dia ocorreu em Patrocínio (MG) com queda de 4,30% e saca a R$ 445,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (MG) com saca a R$ 445,00 e queda de 1,11%. A oscilação mais expressiva ocorreu em Varginha (MG) com queda de 3,30% e saca a R$ 435,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 e estabilidade. A maior oscilação ocorreu em Guaxupé (MG) com recuo de 3,37% e saca a R$ 430,00.

Na quinta-feira (29), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 442,45 e queda de 0,28%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário