Café: Bolsa de Nova York encerra sessão desta 4ª feira com leve alta com câmbio e em ajustes

Publicado em 23/01/2019 17:39 e atualizado em 24/01/2019 17:23
208 exibições

LOGO nalogo

Os contratos futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta quarta-feira (23) com leve alta. O mercado externo do grão oscilou no positivo de olho no câmbio e em ajustes após a queda registrada na véspera.

O vencimento março/19 encerrou o dia a 103,40 cents/lb e alta de 5 pontos e o maio/19 registrou 106,65 cents/lb e avanço de 5 pontos. O julho/19 anotou 109,40 cents/lb com 5 pontos de ganhos e o setembro/19 teve 112,20 cents/lb e 5 pontos de valorização.

"A fraqueza do real derrubou os preços do café na terça-feira, quando o real caiu para uma baixa de três semanas em relação ao dólar", noticiou em seu boletim matinal o site internacional Barchart. Nesta quarta, no entanto, ajustes foram vistos.

O mercado do arábica buscou acomodação depois de cair mais de 100 pontos na sessão de terça-feira (22). No entanto, já no início dos trabalhos desta quarta-feira leves altas passaram a ser vistas. O câmbio também contribuiu para o avanço.

O dólar comercial encerrou a sessão com queda de 1,11%, cotado a R$ 3,7633 na venda, acompanhando um cenário otimista no mercado após comentários do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a importância da reforma da Previdência para o país.

A moeda estrangeira mais baixa em relação ao real tende a desencorajar as exportações das commodities, mas dá suporte aos preços. Em menor intensidade, as informações sobre a safra 2019/20 do Brasil também repercutem entre os operadores.

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) divulgou na última quinta-feira (17), em sua primeira estimativa de safra de 2019, que a produção em 2019/20 deve ficar 50,48 e 54,48 milhões de sacas de 60 kg. O resultado representa uma queda ante a temporada anterior.

Mercado interno

O mercado brasileiro de café seguiu com negócios isolados nesta quarta-feira. As oscilações nos preços têm sido curtas e não atraem os produtores. Além disso, os envolvidos estão assimilando as informações sobre a safra 2019/20 do Brasil.

"Depois da safra recorde em 2018/19, as expectativas do setor ainda são de produção satisfatória em 2019/20, considerando-se o ciclo bienal negativo dos cafezais de arábica", disse o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 447,00 – estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Varginha (MG) com queda de 2,27% e saca a R$ 430,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 425,00 – estável. A maior variação foi em Poços de Caldas (MG) com alta de 0,24% e saca cotada a R$ 411,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 - estável. A maior oscilação foi no Oeste da Bahia com queda de 0,62% e saca a R$ 397,50.

Na terça-feira (21), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 412,64 e queda de 1,11%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário