Café: Bolsa de Nova York encerra sessão desta 6ª feira com alta de mais de 100 pts

Publicado em 25/01/2019 17:33
699 exibições

LOGO nalogo

As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fecharam esta sexta-feira (25) com altas de mais de 100 pontos. O mercado teve suporte das informações do tempo no Brasil e fatores técnicos. Na semana, houve avanço acumulado de 1,33%.

O vencimento março/19 encerrou o dia a 106,35 cents/lb e alta de 105 pontos e o maio/19 registrou 109,50 cents/lb e avanço de 105 pontos. O julho/19 anotou 112,25 cents/lb com 105 pontos de ganhos e o setembro/19 teve 115,00 cents/lb e 110 pontos de valorização.

O mercado do arábica encerra a semana com a terceira alta consecutiva na ICE. Fatores técnicos deram suporte aos preços externos nos últimos dias e nesta sexta-feira. As cotações ganharam mais forças depois de romperem o patamar de US$ 1,05 por libra-peso.

Também pesou fortemente sobre os preços externos da variedade arábica as informações sobre o tempo em áreas produtoras do Brasil. Previsões não mostram chuvas consistentes nos próximos dias sobre a maior parte de Minas Gerais, principal estado produtor do grão no país.

"As preocupações com o clima no Brasil estimularam a cobertura de posições vendidas no curto prazo depois que o Commodity Weather Group informou que as lavouras de café do Brasil enfrentam estresse", noticiou em boletim matinal o site Barchart.

Na semana anterior, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) reportou, em sua primeira estimativa para a safra 2019/20 do Brasil, que a produção de café pode ficar entre 50,48 e 54,48 milhões de sacas de 60 kg. Mesmo em ano bienalidade negativa das lavouras.

Em parte da semana, o câmbio também contribuiu para os ganhos no mercado do café na ICE. Depois de recuar mais de 1% na quarta-feira (23), o dólar comercial fechou a véspera com leve alta de 0,23%, a R$ 3,7719 na venda.  As oscilações da moeda impactam diretamente nas exportações das commodities.

Mercado interno

O mercado brasileiro seguiu com negócios isolados ao longo desta semana. Apesar das altas externas, os preços têm oscilado pouco internamente e não agradam aos produtores. Apenas nesta sexta é que os preços registraram variação mais expressiva.

"Depois da safra recorde em 2018/19, as expectativas do setor ainda são de produção satisfatória em 2019/20, considerando-se o ciclo bienal negativo dos cafezais de arábica", disse o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 457,00 e alta de 1,11%. A maior oscilação ocorreu em Varginha (MG) com avanço de 3,49% e saca a R$ 445,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 430,00 e alta de 1,18%. A maior variação no dia dentre as praças foi em Varginha (MG) com alta de 1,19% e saca cotada a R$ 425,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 - estável. A maior oscilação no dia dentre as praça ocorreu em Patrocínio (MG) com alta de 2,41% e saca a R$ 425,00.

Na quinta-feira (24), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 418,21 e alta de 1,02%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário