Café: Bolsa de Nova York encerra sessão desta 4ª com leve alta em ajustes e com oscilações do dólar

Publicado em 20/02/2019 17:08
161 exibições

LOGO nalogo

Os contratos futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta quarta-feira (20) com leve alta. O mercado externo do grão realizou ajustes durante a sessão ante as quedas recentes e acompanhou as oscilações do dólar.

O vencimento março/19 fechou o dia com alta de 35 pontos, a 97,55 cents/lb e o maio/19 anotou 101,40 cents/lb com 55 pontos de avanço. Já o contrato julho/19 registrou 60 pontos de ganhos, cotado a 104,15 cents/lb e o setembro/19 subiu 60 pontos, a 106,90 cents/lb.

A cotação do arábica com vencimento para março/19 segue abaixo de US$ 1 por libra-peso, mas agora está em liquidação. O foco passa a ser nos lotes com vencimento para maio/19 que, se caírem abaixo de US$ 1, podem desencadear recuos ainda mais expressivos.

"O mercado está se adaptando às informações recebidas no final de semana, de muita chuva e também a posição do dólar, que caminhou e lado", disse Haroldo Bonfá, diretor da Pharos Corretora. "Tudo isso leva para a necessidade de uma notícia nova", destaca o analista.

Ainda de acordo com Bonfá, os preços externos devem seguir direcionados nos próximos dias com as informações de chuvas no cinturão produtivo do Brasil e câmbio, devido às oscilações do dólar ante o real. Novidades na política podem direcionar a moeda no curto prazo.

Veja mais:
» Café arábica pode cair mais na Bolsa de Nova York se vencimento maio/19 cair abaixo de US$ 1/lb

Às 16h44, o dólar comercial avançava 0,24%, cotado a R$ 3,724 na venda, mas chegou a oscilar dos dois lados da tabela com investidores atentos para a reforma da Previdência. As oscilações da moeda estrangeira impactam diretamente nas exportações da commodity.

O Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, sa Esalq/USP) informou que apesar do retorno das chuvas ao cinturão produtivo, produtores ainda acreditam que perdas podem ocorrer nesta temporada por conta das condições climáticas adversas.

"Apesar do retorno das chuvas em boa parte das regiões produtoras, muitos agentes ainda não descartam impactos negativos sobre a produção, fundamentados no clima quente e seco de janeiro", disse o centro de economia.

Mercado interno

No mercado brasileiro, os negócios com café continuam bastante lentos e com preços abaixo de R$ 400,00 a saca em algumas praças de comercialização. Segundo o Cepea, preço e especulações com a safra 2019/20 ainda limitam as transações no interno do arábica.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 428,00 – estável. A maior oscilação ocorreu em Varginha (MG) com alta de 1,20% e saca a R$ 420,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Varginha (MG) com saca a R$ 410,00 e alta de 3,80%. Foi a maior oscilação no dia dentre as praças.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 - estável. A maior oscilação no dia foi em Varginha (MG) com alta de 3,85% e saca cotada a R$ 405,00.

Na terça-feira (19), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 403,12 e queda de 0,26%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário