Café: Maio/19 perde importante patamar na Bolsa de Nova York nesta 2ª feira e fica abaixo de US$ 1/lb

Publicado em 25/02/2019 17:41
354 exibições

LOGO nalogo

O dia foi de altas e baixas no mercado do café arábica. A Bolsa de Nova York (ICE Futures US), no entanto, acabou encerrando esta segunda-feira (25) com leve baixa acompanhando movimentações técnicas e informações do Brasil. O maio/19 ficou abaixo de US$ 1 por libra-peso.

O vencimento março/19 fechou o dia com queda de 5 pontos, a 96,40 cents/lb e o maio/19 anotou 99,85 cents/lb com 15 pontos de recuo. Já o contrato julho/19 registrou 5 pontos de negativos, cotado a 102,60 cents/lb e o setembro/19 caiu 5 pontos, a 105,35 cents/lb.

Depois da leve alta na última sexta-feira (22), o mercado do arábica oscilou dos dois lados da tabela nas primeiras horas do pregão desta segunda-feira. No entanto, durante a tarde, as cotações passaram a recuar acompanhando fatores técnicos e informações da oferta, chegando a perder o patamar de US$ 1/lb.

Segundo informações de agências internacionais de notícias, o mercado do arábica na sessão ainda assimilava a última safra recorde do Brasil, próxima de 60 milhões de sacas, e as informações de chuvas nos últimos dias sobre áreas do cinturão produtivo do Brasil.

"Se as chuvas persistirem neste final de fevereiro e em março, devem estancar as perdas que já estavam se avolumando em muitas regiões produtoras de café", informou em boletim o Escritório Carvalhaes. Na semana passada, o mercado testou mínimas de cinco meses.

Apesar das chuvas recentes,  segundo ponderou o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP) durante a semana passada, ainda assim, muitos agentes da cafeicultura não descartam impactos negativos para a safra 2019/20 de café do Brasil.

Em parte do dia, o mercado na ICE também acompanhou as oscilações do dólar. Às 17h26, o dólar comercial trabalhava com alta de 0,06%, cotado a R$ 3,743 na venda, acompanhando o exterior. A divisa impacta diretamente nas exportações das commodities.

Mercado interno

Os negócios no mercado brasileiro seguem isolados. As praças tem preços estáveis a mais baixos "As bases de preço são baixas e apenas lotes de café arábica de melhor qualidade foram comercializados na faixa dos quatrocentos reais ou um pouco acima", destacou o Escritório Carvalhaes.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 423,00 e queda de 0,47%. A maior oscilação ocorreu em Varginha (MG) com alta de 1,20% e saca a R$ 420,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 405,00 (estável) e Varginha (MG) (+2,53%).A praça mineira teve a maior oscilação no dia.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 - estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Varginha (MG) com saca a R$ 400,00 e alta de 2,56%.

Na sexta-feira (22), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 403,63 e alta de 0,45%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário