Café: Futuros do arábica caem mais de 3% na semana, mas julho/19 segue em US$ 1/lb

Publicado em 07/06/2019 16:56
574 exibições

LOGO nalogo

As cotações futuras do café arábica encerraram a sessão desta sexta-feira (07) com queda de mais de 100 pontos na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O mercado realiza ajustes técnicos depois de ganhos recentes e novos dados da oferta. Na semana, houve baixa de 3,49%.

O vencimento julho/19 teve queda de 110 pontos, a 100,95 cents/lb e o setembro/19 recuou 100 pontos, a 103,60 cents/lb. O dezembro/19 fechou o dia com perdas de 95 pontos e 107,30 cents/lb e o março/20 registrou 110,90 cents/lb e 85 pontos negativos.

Depois de testar máximas de quatro meses, o mercado do arábica na ICE realizou ajustes técnicos ao longo desta sexta-feira. Nos últimos dias, os futuros da variedade subiram forte acompanhando temores com a condição meteorológica no Brasil e oscilações do dólar.

Além disso, novos dados da oferta também pesaram sobre o preço ao longo da sessão desta sexta-feira. O vencimento julho/19 oscilou na sessão entre máxima de 103,30 cents/lb e mínima de 100,08 cents/lb, segundo dados da Investing.

"Os preços do café foram pressionados nesta sexta-feira depois que a CoffeeNetwork, uma unidade da INTL FCStone, estimou um superávit global de café em 2019/20 devido a colheitas saudáveis ​​no Brasil, Colômbia e Vietnã", disse o Barchart.

Apesar de testar alta de mais de 300 pontos na sessão anterior, analistas de mercado comentavam que o mercado do arábica na ICE não havia mudado a sensação de maior tranquilidade ante a colheita da safra 2019/20 do Brasil, maior produtor.

A meteorologia apontou nos últimos dias que as áreas produtoras de café do Brasil não teriam riscos de geadas nos próximos dias, apesar do frio. Além de apresentar menores volumes de chuva. A informação favoreceu baixas no terminal externo.

De acordo com levantamento divulgado na semana passada pela consultoria Safras & Mercado, a colheita de café do Brasil atingia 22% até o dia 28 de maio. Apesar das chuvas recentes, que atrapalham a qualidade, os trabalhos estão mais avançados.

Apesar da influência nos últimos dias, o câmbio não teve reflexo para os futuros do arábica nesta sexta-feira. Às 16h41, após o fechamento na ICE, o dólar comercial operava com queda de 0,45%, cotado a R$ 3,865 na venda, acompanhando o exterior e cena política no Brasil.

"Com a escalada nas disputas comerciais e preocupação com crescimento econômico global, os mercados avaliam como os bancos centrais globais responderão. Os dados que poderiam afetar qualquer decisão para impulsionar a economia estão em foco", explicaram economistas da XP Investimentos, em nota.

Mercado interno

Os negócios com arábica no Brasil ganharam ritmo nos últimos dias. Os avanços recentes na Bolsa de Nova York favoreceram altas nos preços internos do país.

"Com a valorização do arábica, compradores e vendedores voltaram ao mercado, elevando fortemente a liquidez interna", disse o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 448,00 e queda de 1,10%. Foi a maior oscilação no dia dentre as praças.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 420,00 e baixa de 2,38%, que foi a maior oscilação no dia dentre as praças.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com saca a R$ 420,00 e queda de 1,41%. A maior variação ocorreu na Média Rio Grande do Sul com avanço de 2,47% e saca a R$ 415,00.

Na quinta-feira (06), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 413,84 e alta de 2,54%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário