Café arábica tem nova queda nesta 2ª em NY e julho/19 fica abaixo de US$ 1/lb

Publicado em 10/06/2019 17:29
335 exibições

LOGO nalogo

Os contratos futuros do café arábica encerraram a sessão desta segunda-feira (10) com queda de mais de 200 pontos na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O vencimento julho/19 caiu abaixo de US$ 1/lb no dia com o mercado em atenção ao Brasil, oferta e câmbio.

O vencimento julho/19 teve queda de 235 pontos, a 98,60 cents/lb e o setembro/19 recuou 245 pontos, a 101,15 cents/lb. O dezembro/19 fechou o dia com perdas de 240 pontos e 104,90 cents/lb e o março/20 registrou 108,50 cents/lb e 240 pontos negativos.

Os futuros na ICE oscilaram nesta segunda entre máxima de 100,75 cents/lb e mínima de 98,03 cents/lb, segundo dados da Investing. O mercado estendeu perdas da última sexta-feira ainda em movimento de ajustes, mas o peso maior é de informações do Brasil.

"Os preços do café recuaram nesta segunda-feira com a perspectiva de tempo mais seco nesta semana no Brasil, o que faria acelerar a colheita da safra de café do país", destacou o site internacional Barchart. Novos dados de oferta também estão no radar.

Em relatório nesta segunda-feira, o Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil) confirmou os dados de exportação do Brasil em maio, com um total de 3,19 milhões de sacas de 60 kg apenas de café verde, o que representa um salto de 114% ante o mesmo período de 2018.

Leia mais:
» Exportações de café do Brasil saltam 114% em maio, para 3,19 mi
sacas, diz Cecafé

A colheita do café na área de abrangência da Cooxupé (Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé) chegou a 18,42% até o dia 31 de maio. Os trabalhos estão mais adiantados do que nos últimos anos, segundo a entidade, e a região Sul de Minas é a mais avançada.

Leia mais:
» Café: Colheita do café atinge 18,42% entre cooperados da Cooxupé até 31 de maio

"A colheita no Brasil está andando em ritmo lento. Levantamentos indicam que o rendimento não é tão grande e a qualidade da safra também está baixa devido às condições meteorológicas na fase de crescimento", disse o vice-presidente da Price Futures Group, Jack Scoville.

Além dos fundamentos, o câmbio também pesou ao arábica nesta segunda. O dólar comercial teve alta de 0,18%, cotado a R$ 3,8846 na venda, acompanhando apetite por risco ofuscado por cena política no Brasil. O câmbio impacta diretamente nos preços.

Mercado interno

O mercado brasileiro de café registrou picos de alta nos últimos dias, mas agora os preços têm recuado com o exterior. "Com a valorização do arábica, compradores e vendedores voltaram ao mercado, elevando fortemente a liquidez interna", disse o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Patrocínio (MG) com saca a R$ 445,00 - estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Varginha (MG)n com queda de 2,35% e saca a R$ 415,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) (-3,57%) e Varginha (MG) (-1,22%), ambas com saca a R$ 405,00. A maior perda diária ocorreu na praça paulista.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) (-2,38%), Araguari (MG) (estável) e Média Rio Grande do Sul (-1,20%), ambos com saca a R$ 410,00.

Na sexta-feira (07), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 411,63 e baixa de 0,53%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário