Café arábica sobe em NY pela 4ª sessão seguida com apreensão por safra brasileira; CD a R$ 500 em Guaxupé (MG)

Publicado em 11/09/2019 17:08 e atualizado em 12/09/2019 17:24
1282 exibições

LOGO nalogo

As cotações futuras do café arábica subiram pela quarta sessão seguida nesta quarta-feira (11), com altas de mais de 150 pontos, na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). Seguiu sobre o mercado a apreensão com as condições climáticas diante da proximidade das floradas no Brasil.

O vencimento dezembro/19 teve alta de 180 pontos, a 103,40  cents/lb e o março/20 anotou 106,90 cents/lb com ganhos de 190 pontos. O contrato maio/20 subiu 190 pontos, a 109,20 cents/lb e o julho/20 registrou avanço de 195 pontos, a 111,35 cents/lb.

"Os preços do café seguiram trajetória altista nesta quarta-feira, com o café arábica para dezembro em altas de seis semanas e o café robusta para janeiro/20 em máximas de uma semana e meia, com preocupações de safra no Brasil", destacou o Barchart.

Ainda de acordo com o site internacional, as preocupações foram motivadas depois de instituições meteorológicas apontarem que áreas produtoras de Minas Gerais, maior estado produtor de café do Brasil, não registrarem chuvas nos últimos três meses.

O tempo seco e as altas temperaturas ocorrem em um momento que as floradas da safra 2020/21 devem começar pelo cinturão produtivo.  Leonardo de Oliveira, engenheiro agrônomo de Cássia/MG destacou que a colheita de temporada passada nem terminou e as atenções estão para a próxima.

"Nós temos muitas áreas há mais de 50 dias sem chuvas. Lavouras novas estão sentido muito a seca e lavouras velhas também sentem, já que tem sistema radicular mais superficial", disse ao Notícias Agrícolas Oliveira. A ferrugem também preocupa.

Veja mais:
» Café: Atenções da próxima safra voltadas para estiagem em plena florada e ferrugem; colheita 19/20 finalizada

Nos próximos sete dias, de acordo com o modelo Cosmo do Inmet, as chuvas mais volumosas no país seguirão sobre as regiões Sul e Norte do país. O estado de Minas Gerais não deve ter acumulados expressivos, seguindo a preocupação dos produtores do estado.

A colheita de café dos cooperados da Cooxupé (Cooperativa dos Cafeicultores de Guaxupé) chegou em 98,69% até 06 de setembro. Os trabalhos estão mais avançados que nos últimos anos. Em uma semana, a colheita avançou pouco menos de 1 ponto percentual.

Leia mais:
» Café: Colheita na área da Cooxupé chega a 98,69% até o dia 06/09

Mercado interno

Os negócios no mercado brasileiro continuam lentos, mas as transações acontecem, ainda que os preços estejam aquém do desejo do produtor, segundo analistas de mercado. Acompanhando as externas, algumas praças no país têm registrado picos de alta nos últimos dias.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 500,00 e alta de 1,63%. A oscilação mais expressiva ocorreu em Varginha (MG) com alta de 2,08% e saca a R$ 490,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 450,00 – estável. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Varginha (MG) com saca a R$ 435,00 e avanço de 1,16%.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Guaxupé (MG) com saca a R$ 451,00 e avanço de 1,58%. A maior oscilação no dia ocorreu em Franca (SP) e Araguari (MG), ambas com alta de 4,76% e saca a R$ 440,00.

Na terça-feira (10), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 431,28 e alta de 2,78%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Valdoel Da Silva Junior Guaxupé - MG

    Café: Quebra de no mínimo 20% para colheita do ano que vem!!!

    1