Procafé: Vantagem econômica no uso de variedades de café resistentes e produtivas

Publicado em 06/11/2019 09:56
130 exibições

As variedades de café mais cultivadas no Brasil são a Catuai e a Mundo Novo, materiais de boas características vegetativas e produtivas, porem são suscetíveis às principais doenças do cafeeiro, exigindo práticas de controle químico.

Nos últimos anos cresceu bastante o uso de variedades de café resistentes, especialmente daquelas que mostram resistência à ferrugem e combinam boa capacidade produtiva. Essas variedades apresentam vantagens de viabilizar o controle da doença em condições adversas, como em áreas montanhosas e pequenas propriedades, onde as pulverizações com fungicidas são dificultadas. Além disso elas permitem diminuir o uso de defensivos, reduzindo desequilíbrios ambientais.

A vantagem maior, no entanto, está no aspecto econômico, pois uma variedade resistente e produtiva diminui o custo de produção do café e melhora a rentabilidade da lavoura. Um exemplo disso pode ser observado no caso da cultivar Arara, cujos dados foram obtidos de parcelas experimentais conduzidas na Fda Experimental de Varginha-MG. Os resultados produtivos, nas 9 primeiras safras, em comparação com o padrão Catuai, estão colocados na tabela 1.

Procafé

Verifica-se que a cultivar Arara produziu, em média de 9 safras, 56,8 scs/há, enquanto a Catuai produziu 35,1 scs.

Para a questão de custo deve-se considerar que  a manutenção da lavoura anualmente, para tratar e colher, ou seja, o custeio tem sido na base de cerca de 12000,00 por hectare. Para o Arara pode reduzir cerca de 800,00, que são gastos não necessários nele, pois correspondem ao tratamento de doenças, para as quais o Arara é resistente.

Então teríamos 12000,00 dividido por 35,1 scs, correspondendo a um custo de produção de R$349,90 por saca isto para o Catuai e 11200,00 divididos por 56,8 scs, o que resultaria em R$ 197,20  por saca para o Arara. Com relação à margem teórica de receita teríamos ainda de acrescer algo pela melhor qualidade(peneira e bebida) do café do Arara, uns 30,00 reais a mais por saca.

Assim, para um preço padrão de 400,00 por saca vezes 35,1 teríamos uma receita bruta de 14.040,00 por há para o Catuai e ao preço de 430,00 por saca vezes 56,8 teríamos 24.424,00 para o Arara. A receita liquida seria de 14.040,00 menos 12000,00 ou de 2040,00 por há para o Catuai e para o Arara seria de 24424,00 menos 11200,00 ou de RS$13.224,00 por há.

Conclui-se, deste modo, que cultivar uma boa variedade, resistente, significa, além de tudo, uma vantagem econômica significativa, cujos ganhos podem variar  dependendo das condições locais.

Procafé

J.B. Matiello, S.R. Almeida e Lucas Bartelega – Engs Agrs Fundação Procafé e Gianno Brito – Eng Agr Consultor

Tags:
Fonte: Procafé

0 comentário