Café: Bolsa de NY encerra sessão com quedas de mais de 100 pontos

Publicado em 16/01/2020 17:00
382 exibições
Contratos futuros voltam a cair após Conab divulgar que o Brasil poderá colher cerca 45,98 milhões sacas de café na safra 2020

LOGO nalogo

A Bolsa de Nova York (ICE Future US) voltou a registrar baixas nos contratos futuros do café arábica após ser divulgado nesta quinta-feira (16) o 1º Levantamento da Safra 2020 de Café que mostra que o país poderá colher entre 43,2 e 45,98 milhões de sacas beneficiadas de arábica e entre 13,95 a 16,04 milhões de sacas de conilon. Divulgado nesta quinta-feira (16) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). 

Março/20 registrou queda de 135 pontos, cotado a 112,95 cents/lbp, maio/20 desvalorizou 140 pontos, negociado a 115,25 cents/lbp, julho/20 teve baixa de 135 pontos, cotado a 117,55 cents/lbp e setembro/20 encerrou o dia com desvalorização de 140 pontos, valendo 117,55 cents/lbp. 

Para o analista de mercado Haroldo Bonfá, da Pharos Consultoria, os preços tendem a continuar caindo e  o cenário só deve mudar caso alguma novidade apareça no mercado nos próximos dias. De acordo com o analista, notícias de uma safra de ciclo alta faz com que os operadores em Nova York acreditem que o mundo de forma geral está bem abastecido de café, fazendo com que os preços fiquem mais baixos do que o necessário para o produtor. 

Apesar dos dados indicarem que o Brasil continua crescendo no mercado de café, Haroldo destaca que os números de exportação de café em 2019 foram bons para o mercado, mas sinaliza que eles indicam que há um aumento de consumo mundial com o café e que nos próximos meses, caso o Brasil continue exportando desta maneira, o setor poderá passar por um período apertado entre oferta e demanda até que a nova safra comece a ser colhida. 

>> Café: NY reage aos números da Conab e contratos futuros voltam cair

No Brasil, o mercado interno teve uma quinta-feira (16) tranquila e registrou poucas variações. Confira: 

O tipo 6 duro teve baixa de 0,98% em Guaxupé/MG, cotado a R$ 506,00. Araguarí/MG registrou queda de 1,96%, cotado a R$ 500,00. Já em Poços de Caldas/MG foi registrada alta de 1,02%, sendo negociado por R$ 493,00. Varginha/MG manteve a estabilidade por R$ 500,00. Espírito Santo do Pinhal/SP também não registrou variações, mantendo o valor de R$ 480,00. 

O tipo 4/5 registrou alta apenas em Poços de Caldas/MG com 1% de alta e valores definidos por R$ 503,00. Varginha/MH manteve a estabilidade por R$ 505,00 e Franca/SP também manteve a estabilidade por R$ 500,00. 

O tipo cereja descascado registrou baixa de 0,91% em Guaxupé/MG, por R$ 546,00. Poços de Caldas/MG teve alta de 0,54%, por R$ 561,00 e Patrocínio/MG manteve a estabilidade por R$ 525,00, assim como Varginha/MG que não teve variações, mantendo o valor de R$ 515,00. 

>>> Veja mais cotações aqui

Por: Virgínia Alves
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Celio Porto Fernandes Filho Espírito Santo do Pinhal - SP

    Otima noticia para os produtores brasileiros. Se o nosso objetivo é estabelecer volumes recordes de exportação estamos com uma politica internacional vitoriosa, estamos cada vez mais valorizados como maor produtor mundial. Longe de pensar que a nossa politica internacional de vendas pura e simplesmente transfere nossa materia prima cafe para gerar renda fora de nossas divisas... Basta 12 paises produtores sentarem em uma mesa e estabelecerem um valor minimo para exportação, valor que remunere tambem quem produz, até as previsoes de safra deixam de influenciar nossos rendimentos tornando-se até por vezes confiaveis.r

    1