Café: NY devolve ganhos da última sessão e finaliza com baixas nesta terça-feira

Publicado em 02/02/2021 16:23 e atualizado em 02/02/2021 18:04 377 exibições
Londres acompanhou movimentação negativa e Brasil teve cenário misto neste pregão

LOGO nalogo

O mercado futuro do café arábica encerrou o pregão desta terça-feira (2) com quedas para os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US), devolvendo assim os ganhos da última sessão. 

 

 
Março/21 teve queda de 195 pontos, valendo 123,40 cents/lbp, maio/21 registrou queda de 185 pontos, valendo 125,55 cents/lbp, julho/21 teve baixa de 175 pontos, valendo 127,50 cents/lbp e setembro/21 registrou queda de 170 pontos, valendo 129,35 cents/lbp. 

 

 
Segundo a análise internacional do site Barchart, os preços mais uma vez foram pressionados pelas exportações, sobretudo os embarques do Brasil. " as exportações de café não torrado do Brasil em janeiro aumentaram 35% a / a para 221.880 toneladas. Além disso, a Organização Internacional do Café (OIC) informou na segunda-feira que as exportações globais de café de outubro a dezembro aumentaram 6,1% para 31,59 milhões de sacas", afirmou a publicação. 

 

 
Após a safra recorde de 2020, a tendência é que os embarques brasileiros continuem firmes durante o primeiro semestre de 2021. O produtor aproveitou as altas expressivas no final de 2019 e durante o ano passado, travando os preços e mais de 80% da safra já está comercializada. Segundo analistas ouvidos pelo Notícia Agrícolas, em relação à safra de 2021, que já tem perdas expressivas, o mercado deve começar a sentir os impactos da oferta reduzida na reta final do ano. 

Café - CNA
Mercado devolveu ganhos registrados no primeiro dia do mês na Bolsa
 
Na Bolsa de Londres, o café tipo conilon acompanhou Nova York e encerrou com desvalorização. Março/21 teve queda de US$ 21 por tonelada, valendo US$ 1299, maio/21 teve baixa de US$ 18 por tonelada, negociado por US$ 1318, julho/21 registrou queda de US$ 15 por tonelada, valendo US$ 1332 e setembro/21 teve queda de US$ 13 por tonelada, valendo US$ 1347.

 

 
As condições do tempo no Brasil continuam no radar do mercado. Mais uma vez, o Barchart destacou o baixo volume de chuvas na principal região produtora do país. "A Somar Meteorologia informou na segunda-feira que as chuvas em Minas Gerais, a maior região produtora de café arábica do Brasil, receberam 1,5 mm de chuva na semana passada, ou apenas 3% da média histórica", disse. 

 

 
No Brasil, o mercado físico teve um dia de movimentações mistas nas principais praças produtoras do país. 

 

 
O tipo 6 bebida dura bica corrida teve queda de 2,87% em Guaxupé/MG, valendo R$ 677,00, Varginha/MG registrou queda de 1,41%, negociado por R$ 700,00, Campos Gerais/MG registrou desvalorização de 2,84%, estabelecendo os preços por R$ 685,00 e Poços de Caldas/MG registrou valorização de 4,76%, negociado por R$ 660,00.

 

 
O tipo cereja descascado teve queda de 2,70% em Guaxupé/MG, valendo R$ 720,00, Varginha/MG registrou desvalorização de 1,33%, valendo R$ 740,00 e Poços de Caldas/MG teve alta de 4,35%, valendo R$ 720,00. 
 
Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário