Café: Sem grandes novidades, Nova York e Londres finalizam semana com estabilidade

Publicado em 05/02/2021 16:17 e atualizado em 06/02/2021 19:27

LOGO nalogo

A sexta-feira (5) chega ao fim com estabilidade para os principais contratos do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Future US). À espera de novidades e de olho nas condições climáticas no Brasil, a semana finaliza com produtores cautelosos. 

Março/21 teve alta de 45 pontos, valendo 124,50 cents/lbp, maio/21 subiu 50 pontos, negociado por 126,65 cents/lbp, julho/21 encerrou com valorização de 45 pontos, valendo 128,55 cents/lbp e setembro/21 teve alta de 50 pontos, negociado por 130,40 cents/lbp. 

"Os contratos futuros do café encerraram a semana com alta moderada nos mercados internacionais. Não havendo novidades fundamentais, as cotações seguem recebendo suporte da sinalização de aperto na oferta, principalmente pela menor safra brasileira", destacou a análise do Conselho Nacional do Café (CNC). 

Nesta semana, o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro, informou que a entidade acredita em uma quebra de 30% na safra 2021 do produto no País na comparação com o volume recorde de 63,1 milhões de sacas alcançado na temporada 2020.

>>> Seca e bienalidade baixa: Safra 2021 de café do Brasil pode ter quebra de 30%, diz CNC

Na Bolsa de Londres, o café tipo conilon também encerrou com estabilidade. Março/21 teve queda de US$ 3 por tonelada, valendo US$ 1340, maio/21 valendo US$ 1359 - sem variações, julho/21 manteve o valor de US$ 1372 e setembro/21 teve alta de US$ 1 por tonelada, valendo US$ 1387.

Movimentações mercado futuro café - CNC

No Brasil, o mercado físico encerrou com quedas em algumas das principais praças produtoras do país. 

O tipo 6 bebida dura bica corrida teve queda de 0,73% em Guaxupé/MG, valendo R$ 683,00, Poços de Caldas/MG teve baixa de 1,50%, negociado por R$ 656,00 e Campos Gerais/MG encerrou com baixa de 0,72%, estabelecendo os preços por R$ 690,00.

O tipo cereja descascado teve queda de 0,68% em Guaxupé/MG, valendo R$ 725,00, Poços de Caldas/MG encerrou com baixa de 1,38%, valendo R$ 716,00 e Campos Gerais/MG teve baixa de 0,67%, valendo R$ 740,00.

Durante a semana, a Organização divulgou um aumento de 5,26 milhões de sacas de 60 kg na temporada 2020/21, superando o excedente de 4,14 milhões de sacas observado na temporada 2019/2020. Segundo a OIC, a produção deve alcançar 171,89 milhões de sacas, alta de 1,9% em relação à temporada anterior, enquanto que o consumo foi projetado em 166,62 milhões de sacas, avanço de 1,3%.

Os preços chegaram a cair mais de 300 pontos em NY, durante o pregão da quinta-feira (4), mas voltaram à estabilidade. "Claro que esses números influenciam de alguma maneira, mas com os problemas climáticos ninguém sabe ainda o que vai acontecer daqui pra frente", comentou Eduardo Carvalhaes em entrevista ao Notícias Agrícolas. O analista reforça ainda que a queda pode ser considerada um movimento natural de mercado, mas que não significa que deve mudar a tendência de valorização para os preços do café no longo prazo. 

>>> Veja mais cotações aqui

Leia Mais:

+ Stonex: Safra 21 do Brasil deve ter quebra de 33% no café arábica e alta de 11% no conilon

+ Com início do ano legislativo, CNC atua para preservar Funcafé

+ Emater-MG orienta cafeicultores para enfrentarem quebra na produção em 2021

+ OIC aposta em aumento na safra global de café

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário