Café se valoriza na Bolsa de NY com preocupações com o abastecimento global

Publicado em 06/04/2021 16:50 854 exibições
Brasil também registra altas no mercado físico

LOGO nalogo

A terça-feira (06) foi de ganhos para os preços futuros do café na Bolsa de Nova York. O vencimento maio/21 foi cotado à US$ 126 c/lb com alta de 475 pontos, o julho/21 valeu US$ 128 c/lb com elevação de 465 pontos, o setembro/21 foi negociado por US$ 130 c/lb com ganho de 460 pontos e o dezembro/21 teve valor de US$ 132 c/lb com valorização de 450 pontos.

Segundo informações do site internacional Barchart, os preços do café subiram na terça-feira devido à preocupação com o abastecimento futuro. O Citigroup disse na terça-feira que o café arábica teria um déficit "considerável" de -7,5 milhões de sacas para o ciclo da safra 2021/22. 

Os preços do café também têm sustentação devido às condições de seca no Brasil. A Somar Meteorologia informou na segunda-feira que as chuvas da semana passada em Minas Gerais, a maior região produtora de arábica do Brasil, mediram 8,2 mm, ou apenas 32% da média histórica.

A publicação destaca ainda que, a força do real brasileiro apóia os preços do café. O real subiu 1,22% na terça-feira, para uma alta de uma semana e meia em relação ao dólar, o que desestimula as vendas de exportação dos produtores de café do Brasil.

Outro fator de alta foi a previsão da Cooxupe de produção em 2021 de 7,49 milhões de sacas, queda acentuada de -32% em relação a 10,99 sacas em 2020. A produção mais baixa se deve ao clima seco e quente e à metade de menor rendimento do ciclo bienal.

Por outro lado, os preços do café continuam sofrendo pressão de queda devido à preocupação de que um ressurgimento de infecções por Covid possa levar a restrições mais rígidas que manterão restaurantes e cafeterias fechados por mais tempo.

Já no Brasil, a terça-feira foi, predominantemente, de valorização para os preços da saca do café no mercado físico nacional.

O tipo cereja descascado, por exemplo, subiu 3,21% em Campos Gerais/MG, com preço de R$ 805,00, 1,94% em Guaxupé/MG com valor de R$ 790,00 e 1,36% em Poços de Caldas/MG com cotação à R$ 745,00.

Já o tipo 6 bebida dura bica corrida teve altas de 3,47% em Campos Gerais/MG com preço de R$ 745,00, 2,34% em Varginha/MG com valor de R$ 745,00, 2,05% em Guaxupé/MG sendo cotado à R$ 747,00 e de 1,56% em Maringá/PR com patamar de R$ 650,00. Por outro lado, a média Rio Grande do Sul registrou recuo de 0,70% sendo cotada à R$ 705,00.

O tipo 6/7 bebida dura bica corrida registrou elevações de 3,54% em Campos Gerais/MG com preço de R$ 732,00, de 2,10% em Guaxupé/MG e Varginha/MG sendo cotado à R$ 730,00 nas duas regiões e 1,46% em Poços de Caldas/MG e Espírito Santo do Pinhal/SP com cotação em R% 695,00.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário