Café brasileiro: exemplo para o agronegócio global, por João Moraes

Publicado em 13/04/2021 12:03 451 exibições
João Moraes é diretor de contas globais na Yara Internacional.


*João Moraes

Todos os anos, celebramos em 14 de abril o Dia Mundial do Café. Para o Brasil, a data merece ainda mais destaque, pois somos o país com maior produção e exportação. O grão faz parte da história e da cultura nacional, tem um papel relevante na base de nossa economia e está presente na rotina dos brasileiros, seja em suas versões mais simples ou sofisticadas. Mas seu papel vai muito além disso.

A pandemia afetou fortemente diversos setores, inclusive alguns produtos do agronegócio, e o café não passou ileso. Com o fechamento de restaurantes, hotéis, cafeterias e escritórios, o mercado interno sofreu alterações importantes, apesar de termos visto um crescimento no consumo domiciliar da bebida e o surgimento de novos rituais de café em casa - talvez insuficientes para equilibrar essa balança.

Nesse sentido, o comércio exterior também deve ser estudado, afinal o café é uma das commodities com maior flutuação no mercado internacional. Alguns eventos climáticos, como o grande volume de chuvas que atrasaram a colheita no Vietnã no começo do ano, os furacões que assolaram Honduras ano passado e a confirmação de uma colheita menor em cerca de 500 mil sacos na Colômbia, três grandes protagonistas na produção mundial do grão, reduziram a disponibilidade e elevaram o preço do café. E mesmo após uma safra generosa em 2020, o atual cenário no Brasil também não foi dos melhores. Em setembro e outubro do último ano, registramos meses extremamente quentes e praticamente sem chuvas no cinturão cafeeiro, especialmente na região Sudeste, o que prejudicou o pegamento da florada e estimulou um aumento importante na área de podada - um impacto que não pode ser recuperado ao longo da safra. O bom volume de chuvas desse início de ano beneficiou o enchimento dos frutos que vingaram e a recuperação da vegetação, mas isso não repõe o prejuízo gerado pelo clima em setembro e outubro de 2020 para a colheita de 2021.

Além das variáveis citadas acima, o café é uma cultura de comportamento bienal, ou seja, sempre temos um ano de alta produção, seguido por um ano de resultado mais baixo. No Brasil, os anos pares são os positivos, e podem ser recordes se o clima e o preço continuam a favor do produtor. Como estamos em um ano ímpar, um recuo na safra já era esperado, e no 1º levantamento de safra da CONAB, a instituição já trabalha com uma previsão de 43,9 a 49,6 milhões de sacas para 2021, com diminuição relevante no café arábica que poderá alcançar quase 40% de redução frente a 2020, cenário esse agravado por impactos climáticos, como a falta de chuva, e aumento na área de poda. Por isso, o grande desafio para a cultura este ano talvez esteja na incerteza da relação oferta/demanda.

Agora que caminhamos para o início da colheita, o produtor rural precisa tomar decisões difíceis, já pensando na próxima safra. Temos um cenário de dólar alto, que apesar de valorizar o grão exportado, aumenta o preço dos principais insumos, como defensivos e fertilizantes, e do combustível. Também tivemos uma valorização da mão de obra no campo e dos próprios processos, que atualmente exigem mais cuidados por parte dos cafeicultores devido à Covid-19.

Outro ponto que demanda cada vez mais atenção do setor cafeeiro é a sustentabilidade, exigência não apenas do mercado global, mas uma preocupação crescente do consumidor interno também. A cadeia de valor do café, com grandes empresas e traders, tem se posicionado fortemente para reduzir os impactos do campo à xícara do consumidor, estimulando a transformação em todas as etapas - trabalho que pode ser exemplo para o agronegócio global.

Quando olhamos para a produção do café, os estudos nos permitem afirmar que grande parte das emissões é oriunda do uso incorreto de nitrogênio para a nutrição do cultivo. Porém, as melhores práticas agrícolas, acompanhadas por assistência técnica e incluindo programas nutricionais que substituem a fonte de nitrogênio ureia por fórmulas com nitratos, permitem ao produtor alcançar uma resposta rápida e relevante em relação aos impactos ambientais por meio de maior produtividade de sua lavoura. A ureia está sujeita a altos níveis de volatilização - processo químico que resulta na perda de parte de sua composição como forma de gás ao ser aplicada em determinadas condições climáticas. Pesquisas mostram perdas superiores até mesmo a 50% em condições extremas.

É muito importante que os produtores observem também o balanço nutricional, incluindo macronutrientes secundários (Cálcio, Magnésio e Enxofre) e os micronutrientes (principalmente Boro, Zinco, Manganês), além do NPK. Programas nutricionais que incluam produtos com excelência em sua fabricação e balanço adequado de nutrientes com base em nitratos não só reduzem as emissões de gases de efeito estufa (GEE), mas também permitem que o agricultor produza mais com menos, por meio da eficiência do uso do ponto de nitrogênio e balanço nutricional, melhorando os rendimentos agronômico, econômico e ambiental da cultura.

Nesse sentido, os investimentos frequentes dos agricultores brasileiros em melhores práticas, qualidade de insumos, inovações na produção, qualidade e comercialização de café, têm colaborado para que o país se destaque em relação aos outros players mundiais - mesmo em cenários adversos como o atual. Os avanços na cultura são cada vez maiores, e isso envolve o uso intensivo de análise de solo e folha, adubação equilibrada, além de programas nutricionais que trazem uma gama de nutrientes adequada à cada etapa da lavoura. E esse protagonismo brasileiro é uma grande conquista, principalmente quando analisamos que o café é uma cultura predominantemente dominada por pequenos produtores em nosso país, com uma média de sete hectares cada, que geralmente enfrentam mais desafios no acesso ao crédito, à tecnologia e outros fatores.

É com trabalho sério e comprometido que o Brasil seguirá sua liderança no mercado internacional do café: desenvolvendo segmentos de alta performance, cafés de qualidade, segurança produtiva e buscando a neutralidade em carbono. E somente dessa forma, com uma atuação integrada entre todos os players da cadeia na promoção desse "ecossistema positivo", que seguiremos na direção certa para alcançar um ponto comum entre a viabilidade econômica, ambiental e social para a cultura do café.
 

Tags:
Fonte:
Yara

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário