Gargalos logísticos no café: Tentando driblar problemas, setor precisa unir forças para atender mercado externo

Publicado em 27/08/2021 11:39 e atualizado em 27/08/2021 16:22 2460 exibições
Brasil poderia estar exportando mais se não tivesse os problemas que afetam toda logística global; no ES situação é ainda mais complexa

Logotipo Notícias Agrícolas

Além de lidar com as condições climáticas adversas, o produtor de café enfrenta problemas logísticos que parecem estar longe do fim. Dados do Conselho de Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) mostram que desde o segundo trimestre de 2021, apesar da expressiva safra do ano passado, os embarques de café do Brasil sentem os impactos dos gargalos logísticos observados mundo afora. 

O Notícias Agrícolas ouviu exportadora, analistas de mercado, o Centro do Comércio de Café de Vitória e o próprio Cecafé para entender com profundidade os impactos logísticos para o setor cafeeiro e as perspectivas de curto e longo prazo para um problema que atinge toda a cadeia produtiva do país. 

Com a recuperação das economias globais, a demanda pelo transporte de mercadorias aumentou e os recentes problemas com a Covid na China pressionaram ainda mais a logística global. Além disso, com a seca prolongada e dois episódios de geadas em julho, a preocupação com as entregas preocupam cada vez mais quando o assunto é café. 

Em evento realizado na última quarta-feira (25) pela Cooperativa de Cafeicultores e Agropecuaristas (Cocapec), o diretor geral do Cecafé, Marcos Matos, reconheceu que o Brasil poderia estar exportando mais, apesar do recorde histórico já registrado no período entre janeiro e julho. 

"Estamos sim discutindo que o Brasil poderia estar exportando substancialmente mais, poderíamos estar em um limite superior. Uma parte fica no porto, são embarques cancelados e isso gera uma dificuldade e a nossa preocupação é com o futuro", comenta.

Exportação - Cecafé (1)


Apesar do cenário de incerteza, Marcos afirma que o setor vem buscando driblar os problemas e consegue atender os mercados. "A safra é menor, mas café a gente não olha apenas um ano, é preciso olhar por ciclo. Ainda temos que aguardar os laudos técnicos, temos que torcer para que as condições climáticas sejam melhores, mas ainda podemos ter uma safra de 2022 com condições adequadas. A gente tem que seguir em uma linha de que o Brasil vai seguir atendendo as demandas e os mercados da forma como sempre fez. Agora, quebrar recorde realmente fica um pouco mais a frente, em 2023 ou 2024, mas nesse período o Brasil seguirá atendendo os mais diversos e exigentes mercados do mundo", acrescenta. 

Já quando o assunto é os demais países produtores, o Cecafé afirma que o Brasil segue na frente não somente em alta escala de produção, mas também em qualidade. É importante ressaltar que países como Colômbia, Honduras e até mesmo o Vietnã também enfrentam adversidades climáticas que comprometem de certa forma a produção, o que aumentam as preocupações com a oferta mundial de café.

"Há espaço para produzir, há espaço para exportar mais, mas precisamos trabalhar juntos. O Brasil tem o diferencial de ser o maior exportador de café sustentável do mundo e já atendemos os mais exigentes mercados", comenta. 

Exportação - Cecafé (2)


SITUAÇÃO NO ESPÍRITO SANTO É AINDA MAIS COMPLICADA

Apesar do avanço nos embarques do conilon, de pelo menos 20% no mês julho segundo dados do Cecafé, os números poderiam ser ainda mais expressivos se não fossem os problemas logísticos, mas também os gargalos de infraestura no Porto de Vilha Velha, no Espírito Santo. 

"O problema aqui começa na estrutura. O porto aqui não tem capacidade para navio de grande porte, o porto tem uma limitação que só tem um terminal, que embora seja amplo, ele é insuficiente para nossa necessidade", comenta Marcio Cândido Ferreira, presidente do Centro do Comércio de Café de Vitória, que também afirma que o estado tem em média um navio e meio por semana, "o que de qualquer maneira continua sendo navio de pequeno porte e depois de toda essa dificuldade enfrentada aqui, vai enfrentar a dificuldade em Santos e no Rio de Janeiro, e aí a coisa fica realmente mais complicada porque se os que já estão lá já enfrentam problemas, imagine quem chega depois com os contêineres". 

O aumento de demanda com a retomada da economia só aumentou o problema. "A companhia de navegação hoje não dispõe de oferta, de espaço em tempo que realmente a commoditie de café precisa. Hoje os navios só oferecem espaço com dois ou três meses, existe uma dificuldade muito grande a nível Brasil", acrescenta. 

PVV

Márcio relata ainda que quando chega a oportunidade do embarque, também tem sido frequente as companhias marítimas cancelaram as escalas, ou seja, ter o navio no porto não significa necessariamente o embarque."Imagine você não cumprir o embarque em um momento que o café está em nível recorde da história, com bastante demanda de crédito e a outra ponta, que é o torredor, esperando ansiosamente que chegue a mercadoria para não sofrer interrupção na sua cadeia de produtos", afirma. 

A situação fica ainda mais complexa porque, segundo Márcio, as companhias não têm avisado com antecedência quando há espaço para embarque. Para tentar driblar os impactos, exportadores do Espírito Santo têm enviado o café até Santos ou Rio de Janeiro, na tentantiva de efetivar os embarques. 

Falando em números, o CCCV afirma que o Espírito Santo deixa de embarcar uma média de 100 mil sacas por mês pelo porto do ES. Ou seja, esse café precisa sair do estado e ir para outros estados. "Ou seja, café conilon capixaba está sendo transportado para embarque no Rio e até em Santos. No Rio a custo de US$ 30 a tonelada e em Santos US$ 60 por tonelada e isso arcado pelo próprio importador que mesmo com as dificuldades prefere bancar e reduzir os riscos de ficar sem café", acrescenta. 

Localizada na maior região produtora de café tipo arábica do Brasil, a exportadora Guaxupé também relata as dificuldades dos últimos meses. "Temos observado vários problemas como falta de espaço nos navios, cancelamentos de booking, postergação de embarques pelos armadores, omissão de navios, falta de espaço nos terminais portuários, etc", afirma ao Notícias Agrícolas.

Os números da exportadora mostram ainda que aproximadamente 30% dos embarques estão rolando de um mês para outro, mas minimiza risco de restrição à oferta global do frão. "Não há preocupação com embarques no longo prazo, os clientes tem consciência dos problemas logísticos e temos mantido todos eles muito bem informados de toda situação. Também não há uma renegociação para contratos já firmados, os mesmos continuam ativos e problemas logísticos são discutidos e resolvidos dentro dos meses do contrato", complementa. 

O QUE DIZEM OS ANALISTAS 

Para os analistas ouvidos pelo Notícias Agrícolas o sentimento é o mesmo e vão ao encontro com os os dados do Cecafé, mostrando que a redução, neste momento, se justifica apenas pelos problemas logísticos e não por falta de café, como é especulado no mercado em algumas sessões. Ressaltam, no entanto, no longo prazo, que as condições podem mudar devido a redução de safra já esperada para 2022. 

"Quando falamos em logística hoje, estamos falando em um mundo muito complexo", afirma Haroldo Bonfá, analista de café da Pharos Consultoria. O especialista enfatiza, no entanto, que com o preço da saca valorizado também no mercado físico, o mercado precisa sim estar atento a possíveis desistências. "A falta de espaço, o aumento do frete e os preços de café hoje desestimulam muito quem não fazer embarque. Antes tinha embarque por R$ 500,00 agora estamos falando no dobro. Não tem muito que ser feito. Precisamos esperar espaço e o custo diminuir um pouco que seja", comenta.  

Questionado se as condições atuais poderiam manchar de alguma maneira a imagem do Brasil com os principais parceiros comerciais, Haroldo afirma que por se tratar de um problema global todas as pontas do setor cafeeiro entrarão em acordo para driblar os problemas. "Não mancha nossa imagem porque é um problema real, não é especulação, realmente passamos por dificuldades. É preciso que as duas partes conversem entre si", acrescenta. 

Os problemas atuais de alguma maneira podem mexer com os estoques no exterior. Há um ano, em meio a pandemia, a ICE registrava os níveis mais baixos dos últimos 20 anos, indicando uma mudança no consumo e principalmente que a demanda continuou aquecida em importantes pólos consumidores, principalmente nos Estados Unidos – maior consumidor de café do mundo. 

+ ICE tem o menor estoque de café certificado dos últimos 20 anos; pandemia forçou consumo de cafés estocados

Com a reabertura dos comércios e avanço da imunização e os problemas logísticos, a possibilidade de consumo dos estoques certificados passa a ser maior. "Esse estoque terá que ser consumido de qualquer maneira. Tudo vai depender da demanda, da Covid e enquanto isso precisamos dessas estratégias para atender o mercado. Ainda acredito que tudo vai fluir bem, o produtor tem maior necessidade de caixa e vai dar um jeito", acrescenta. 

De acordo com dados levantados pelo Rabobank, só no último ano o custo com frete marítimo subiu pouco mais de 336%. "Quando falamos sobre o Vietnã, há alguns meses, se tratava apenas de um problema para a Ásia, agora realmente se tornou um problema global e que aparentemente tende a permanecer até, pelo menos, 2022", comenta o analista de mercado Guilherme Morya.

 

image001 (1)
Fonte: Rabobank

Os números mostram ainda que nas últimas três semanas a elevação foi ligeiramente mais baixa, em torno de 5%, mas ainda assim preocupa já que o indicativo é de que o problema não seja resolvido no curto prazo. Apesar dos gargalos, o analista descarta a possibilidade do Brasil não atender os mercados. "É esperado que a gente tenha essa desaceleração nos embarques, mas lá na frente poderemos ver o caminho inverso. Algo muito parecido com o que vimos em Honduras, de infraestrutura e não de falta de café", comenta. 

Falando em mercado, Morya comenta que o cenário continua sendo de preços firmes – entre 1,70 e 1,90 em Nova York, mas que atualmente o mercado segue travado. "O grande ponto é que o produtor acredita que o preço pode subir mais e diante das incertezas climáticas, esperando a chuva, está sem coragem para negociar. Até termos uma definição mais clara do clima e com essa preocupação paralela da variante Delta, o mercado deve seguir com os preços que observamos na última semana. 
 

Estoque café


PROBLEMA ANTIGO

Quando o assunto é logística, o setor cafeeiro já estava em alerta ainda no mês de março, com o bloqueio do Canal de Suez impactando diretamente os embarques de café tipo conilon, já que se trata da principal rota marítima que liga Ásia e Europa. 

+ Frete marítimo sobe 300% na Ásia, Vietnã embarca menos conilon e Brasil ganha mais espaço no mercado

No dia 29 de março preços na Bolsa de Londres registraram expressiva valorização diante da preocupação do setor com possíveis interrupções no fornecimento global de café.  Na ocasião, em resposta ao Notícias Agrícolas, o Cecafé já havia informado impactos no comércio mundial do café verde e solúvel do Vietnã para os principais mercados globais. "Contudo, fatos como esse afetam a todos e aprofundam um problema já observado aqui no Brasil, que é a falta de espaços nos navios e de contentores", afirmou na data. 

A preocupação com a oferta de contêineres, no entanto, não é novidade para o setor cafeeiro do país. Em entrevista ao Notícias Agrícolas, Lúcio Dias, superintendente comercial da Cooxupé, há um ano e meio, já afirmava que a pandemia poderia agravar um cenário logístico marítimo fora da normalidade para os embarques do Brasil.

+ Donos de navio que bloqueou Canal de Suez fazem nova proposta de compensação

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário