Café inicia semana mantendo pressão e tem queda de 115 pontos em Nova York

Publicado em 27/06/2022 16:54
No Brasil, mercado físico acompanhou e Londres manteve estabilidade nas principais referências

Logotipo Notícias Agrícolas

O mercado futuro do café arábica encerrou o primeiro pregão da semana com desvalorização para os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). 

Setembro/22 teve queda de 115 pontos, negociado por 222,10 cents/lbp, dezembro/22 teve baixa de 120 pontos, cotado por 220,25 cents/lbp, março/23 teve desvalorização de 130 pontos, cotado por 218,20 cents/lbp e maio/23 registrou baixa de 130 pontos, cotado por 216,75 cents/lbp. 

Conforme explica a análise do site internacional Barchart, os do café permanecem na defensiva desde a última quinta-feira, quando o USDA, em seu relatório semestral, projetou que a produção global de café em 2022/23 aumentaria +4,7% a/a para 174,95 milhões de sacas.  O setor cafeeiro segue acompanhando a evolução da colheita no Brasil, volume dos estoques certificados, assim como os fatores externos como guerra e covid-19 que devem manter a volatilidade acentuada para o café. 

A colheita nas principais áreas de produção do Brasil está atrasada em relação aos últimos anos, consequência das condições climáticas adversas enfrentadas pelo produtor nos últimos dois anos. O tempo seco no Brasil, favorecendo o avanço dos trabalhos no campo, podem ajudar a pressionar as cotações nas bolsas. 

Além disso, analistas afirmam que os cenários externos como câmbio, guerra e Covid-19 devem manter a volatilidade no mercado de café acentuada. O produtor ainda opera com cautela, fechando negócios a medida que precisa fazer caixa. 

Na Bolsa de Londres, o café tipo conilon teve um dia de estabilidade. Setembro/22 teve queda de US$ 4 por tonelada, valendo US$ 2040, novembro/22 teve queda de US$ 6 por tonelada, cotado por US$ 2031, janeiro/23 teve baixa de US$ 6 por tonelada, negociado por US$ 2018 e março/23 teve queda de US$ 5 por tonelada, valendo US$ 2012. 

No Brasil, o mercado físico acompanhou e encerrou com desvalorização nas principais praças de comercialização do país. 

O tipo 6 bebida dura bica corrida teve queda de 0,74% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 1.350,00, Poços de Caldas/MG teve queda de 3,70%, valendo R$ 1.300,00, Varginha/MG teve baixa de 0,36%, cotado por R$ 1.365,00, Campos Gerais/MG registrou queda de 0,72%, valendo R$ 1.382,00 e Franca/SP teve baixa de 0,72%, negociado por R$ 1.370,00. 

O tipo cereja descascado teve queda de 1,39% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 1.415,00, Poços de Caldas/MG teve queda de 0,68%, valendo R$ 1.450,00, Varginha/MG teve baixa de 0,34%, cotado por R$ 1.445,00 e Campos Gerais/MG teve baixa de 0,69%, valendo R$ 1.442,00. 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário