Cresce a renovação dos cafezais em SP

Publicado em 11/05/2011 07:50 519 exibições
O café voltou a ser uma cultura atraente para os agricultores paulistas. Em meio à forte valorização dos preços do produto, os cafeicultores de São Paulo voltaram a apostar na atividade e vão destinar neste ano 13,7 mil hectares para a formação do parque cafeeiro. No ano passado, apenas 8,6 mil hectares foram utilizados pelos produtores de São Paulo para a formação de novos cafezais. Com isso, a área em formação no Estado terá um crescimento de 59% em 2011 em comparação com o ano passado.

O motivo para a retomada do interesse dos paulistas na cafeicultura, na avaliação de Sérgio Carvalhaes, diretor do Escritório Carvalhaes, é mesmo o preço, que voltou a ser atrativo. Ele lembra, entretanto, que esse aumento da área em formação não representa áreas novas ou um avanço sobre outras culturas. De acordo com Carvalhaes, os novos investimentos estão ocorrendo em fazendas que já possuem uma estrutura para a cafeicultura, mas que reduziram a área cultivada nos últimos anos por conta dos baixos preços do café.

"Aquele cafeicultor mais tradicional que diminuiu a área no passado resolveu agora fazer mudas na própria fazenda e plantar naquelas áreas que foram abandonadas", afirma Carvalhaes. O consultor lembra, no entanto, que essa "aposta" dos produtores de São Paulo é interessante apenas para aqueles que já possuem a infraestrutura necessária para a atividade, e não para novos "entrantes".

Segundo dados divulgados ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a área em formação para novos cafezais em todo o país terá um crescimento de 6% neste ano e chegará a 224,3 mil hectares. Depois de São Paulo, o maior crescimento será no Paraná, que elevará a área em formação para 13,9 mil hectares em 2011, exatamente pelo mesmo motivo e com as mesmas características observadas em São Paulo.

A produção brasileira deste ano está estimada em 43,5 milhões de sacas, volume pouco acima da estimativa média de 43,3 milhões feita em janeiro pela Conab. O ajuste decorreu das boas condições climáticas nos últimos meses. O novo número, no entanto, é 9,5% inferior à produção do ano passado, mas é preciso levar em conta que 2011 é o período de baixa do ciclo bienal da cultura. Entre todos os períodos de baixa, o novo número é recorde, superando em 10,3% as 39,4 milhões de sacas colhidas em 2009.

"A produção de café amadureceu. O que está acontecendo em São Paulo pode ser percentualmente significativo, mas em termos absolutos ainda é pouco perto do total. Creio que a produção no Brasil nos próximos anos aumentará mais pelos ganhos de produtividade do que por expansão de área", disse Carlos Brando, diretor da P&A Marketing.

Tags:
Fonte:
Valor Econômico

0 comentário