Café: Valorização do dólar frente ao real minimizou o impacto da crise internacional

Publicado em 23/09/2011 17:59 641 exibições
A percepção sobre a gravidade e longa duração da crise financeira na zona do euro e nos Estados
Unidos alastrou-se ainda mais esta semana e levou as bolsas ao redor do mundo a mais uma semana de baixas, culminando ontem em um cenário de quase pânico e fortes quedas nos mercados acionários e de commodities e a muita volatilidade no mercado de moedas.

No Brasil, a valorização do dólar frente ao real, que ganhou ainda mais força esta semana,
minimizou bastante o impacto da crise internacional sobre o preço em reais das principais commodities de exportação.

Até ontem, quinta-feira, as quedas nas cotações dos contratos de café na ICE Futures US, a bolsa
de Nova Iorque, eram proporcionais a valorização do dólar frente ao real. Esta “arbitragem” dos
operadores na ICE, manteve praticamente estáveis os preços em reais do café no mercado físico
brasileiro. As incertezas do quadro logicamente levaram a um número menor de negócios fechados.

A acentuada e rápida desvalorização de nossa moeda forçaram ontem o Banco Central do Brasil a agir, interrompendo a escalada da moeda americana. Hoje, sexta-feira, o dólar e os contratos de café fecharam em baixa, paralisando o mercado físico brasileiro de café.

Os fundamentos do mercado de café não se alteraram e continuam sólidos. Agora é preciso
aguardar os desdobramentos das medidas que estão sendo tomadas pelas autoridades econômicas do hemisfério norte e sua influência sobre o rumo dos mercados nas próximas semanas.
Até o dia 22, os embarques de setembro estavam em 1.296078 sacas de café arábica, 152.302
sacas de café conillon, somando 1.448.380 sacas de café verde, mais 151.959 sacas de solúvel, contra 1.699.950 sacas no mesmo dia de agosto. Até o dia 22, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em setembro totalizavam 2.090.591 sacas, contra 1.985.283 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 16, sexta-feira, até o fechamento de hoje,
sexta-feira, dia 23, caiu nos contratos para entrega em dezembro próximo, 2895 pontos ou US$ 38,30 (R$ 70,59) por saca. Em reais por saca, as cotações para entrega em dezembro próximo na ICE fecharam no dia 16 a R$ 592,47/saca e hoje, dia 23, a R$ 566,09/saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em dezembro, a bolsa de Nova Iorque fechou com baixa de 780 pontos. No mercado paralisado de hoje, são as seguintes as cotações nominais por saca, para os cafés verdes, do tipo 6 para melhor, safra 2011/2012, condição porta de armazém:

R$560/580,00 - FINOS A EXTRAFINOS – MOGIANA E MINAS.
R$530/540,00 - BOA QUALIDADE – DUROS, BEM PREPARADOS.
R$480/500,00 - DUROS COM XÍCARAS MAIS FRACAS.
R$400/450,00 - RIADOS.
R$300/350,00 - RIO.
R$320/340,00 - P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: DURA.
R$300/320,00 - P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: RIADAS.
Os cafés cereja descascado (CD) bem preparados, valem R$ 570,00/590,00 por saca.
DÓLAR COMERCIAL DE SEXTA-FEIRA: R$ 1.8430 PARA COMPRA.

Tags:
Fonte:
Escritório Carvalhaes

0 comentário