Cafeicultor mineiro reduz efeitos da bienalidade

Publicado em 29/11/2011 13:59 420 exibições
Embora ainda não seja possível o aumento contínuo das safras de café, uma parte dos cafeicultores mineiros está conseguindo reduzir os efeitos da bienalidade da produção. De acordo com o assessor especial de Café da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), Níwton Castro Moraes, a bienalidade consiste na alternância do volume de café produzido de um ano para o outro.
 
O assessor diz que o principal recurso utilizado pelos produtores para reduzir o impacto da bienalidade é a adoção de boas práticas agronômicas com orientação técnica. Ele cita o exemplo dos agricultores da Zona da Mata, destacando o município de Manhuaçu, onde o esforço de superação da barreira das safras desiguais vem obtendo sucesso. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a produção de café em Manhuaçu, neste ano, deve alcançar 435,6 mil sacas, volume 4,3% superior ao registrado em 2010, que foi o período de alta colheita conforme a bienalidade.Manhuaçu é o terceiro maior produtor de Minas Gerais, atrás de Patrocínio (523,9 mil sacas) e Três Pontas (444,0 mil sacas). Segundo a Emater-MG, vinculada à Secretaria da Agricultura, nas lavouras de Manhuaçu os dados de produção coincidem com os apresentados pelo IBGE, reforçando a tendência de ajustamento das safras por meio do aumento da produtividade. Há também cerca de 1,5 mil hectares de café em formação entre plantios e lavouras podadas.
 
Boas práticas
 
“Os bons resultados de nossas lavouras devem ser atribuídos, em primeiro lugar, à melhoria dos tratos dos cafezais, sobretudo um cuidado especial com a poda dos pés”, explica o gerente regional da Emater, Rômulo Mathozinho de Carvalho. “As orientações básicas são transmitidas pelos extensionistas aos produtores de Manhuaçu em dias de campo e em outros contatos.” Ele ainda diz que as práticas recomendadas são, em sua maioria, de baixo custo e sempre possibilitam resultados compensadores.
 
Para a safra de 2011, os cafeicultores atenderam mais uma vez à recomendação de intensificar os cuidados na fase de preparo de novas áreas de plantio. A análise de solo é fundamental, porque indica a necessidade ou não de correção da acidez nas lavouras de café e ajuda na definição de um programa de adubação. Segundo Carvalho, cerca de 50% do sucesso do cultivo pode ser atribuído à correta adubação. Atualmente, os produtores podem contar na região com três laboratórios de análise de solo, um deles criado há 13 anos e os outros inaugurados em 2007. O extensionista acrescenta que os agricultores também recebem orientação para fazer diversos tipos de podas em uma mesma propriedade de forma a manter as lavouras renovadas e produtivas. Além disso, os cafeicultores estão adotando o plantio com espaçamentos menores. Com esses cuidados, ele enfatiza, embora ainda exista o problema da bienalidade, os produtores já podem contar com tecnologias que reduzam a queda de safra no período seguinte ao de alta produção.
 
Boas perspectivas
 
Alexandre Paixão, um dos produtores de café de Manhuaçu que adotam as recomendações, diz que o trabalho iniciado há quatro anos tem possibilitado resultados animadores. Nossas safras alcançam 35 sacas por hectare, em média, enquanto no Estado a produtividade é de 21,5 sacas por hectare. “Nos dois últimos anos tivemos colheitas de até 40 sacas por hectare em algumas lavouras”, informa o agricultor e acrescenta que não se trata de um caso isolado.
 
Filho e neto de cafeicultores, Paixão está introduzindo um de seus filhos na atividade e tem boas expectativas principalmente com as novas possibilidades de controle dos efeitos da bienalidade, além do preço alcançado pelo produto. “Com a redução dos desníveis de safra podemos ter uma presença mais firme no mercado, porque é possível fazer compromissos de fornecimento e aperfeiçoar a gestão da propriedade”, finaliza.
 
Para o supervisor de Pesquisas Agropecuárias do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em Minas, Humberto Silva Augusto, além de práticas como o manejo de poda, adensamento das lavouras e outras, deve-se considerar também que fatores naturais estão ajudando a reduzir o impacto da bienalidade na produção de café. Produtor de café no município de Ervália, também na Zona da Mata, Humberto explica que o cultivo é beneficiado atualmente pela ausência de geadas fortes. “Não ocorrem mais geadas que causem impacto sobre a produção como nos anos 90”, ressalta. Embora os efeitos da bienalidade ainda existam, a redução dos níveis de produção entre um ano e outro é bem menor atualmente. De acordo com Humberto, o controle das lavouras de café tem contribuído para safras à altura da demanda interna e externa do produto. Ele explica que os estoques internacionais de café estão com o nível baixo, o que favorece a melhoria dos preços. “Portanto, existe a expectativa de que, quando houver uma redução do impacto da crise econômica mundial, os produtores com safras mais uniformes poderão ser recompensados.”
 
Variedades produtivas
 
No Sul de Minas também é observada a tendência de ajustamento dos níveis de produção de café, uma aproximação gradativa dos resultados obtidos no período de alta da bienalidade. Segundo o escritório da Emater de São Sebastião do Paraíso, a produção no período de baixa apresenta atualmente uma retração em torno de 33% (média de 40 para 30 sacas por hectare), que já representa um grande passo em relação aos períodos anteriores, pois a retração média caía para 10 sacas por hectare.
 
Para obter o ajuste de safras, os cafeicultores trabalham com variedades mais produtivas, que estão possibilitando florada com até oito meses (antes ocorria por volta do terceiro ano), e utilizam também as práticas de manejo recomendadas pelos extensionistas. Além disso, são beneficiados igualmente pela menor incidência de geadas.
 
Segundo o produtor Marcos Roberto Soares, os cafezais da região foram prejudicados pela seca de 2010, mas para o próximo ano está prevista a recuperação da safra municipal. No caso de Soares, a estimativa para 2012 é de mil sacas do produto com certificação, com previsão de que será possível pelo menos se aproximar desse índice no período seguinte. Minas responde atualmente por 49,8% da produção nacional de café. As exportações do produto pelo Estado, entre janeiro e outubro de 2011, somaram US$ 4,6 bilhões, na comparação com os US$ 7,0 bilhões movimentados pelas vendas totais do produto do Brasil no exterior. Para garantir a produção há lavouras espalhadas por todo o Estado, envolvendo inclusive um grande contingente de agricultores familiares.
Tags:
Fonte:
Seapa - MG

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário