Necessidade de compra eleva referência do boi gordo; Suíno também registra alta em SC

Publicado em 27/09/2016 08:07 e atualizado em 27/09/2016 20:14
140 exibições

Boi Gordo: Mercado com preços firmes, em SP a referência está R$ 151,00/@

Por Juliana Serra, médica veterinária da Scot Consultoria

Mercado do boi gordo sustentado.

Pagamentos acima da referência têm sido cada vez mais comuns na maioria das regiões pesquisadas pela Scot Consultoria. 

Os frigoríficos que não possuem boiadas a termo ou parcerias apresentam dificuldade em avançar suas programações de abate, uma vez que a oferta está restrita. Este fator é o que tem determinado o mercado. 

Com isso, houve reajustes positivos para o boi gordo em seis praças.

Em Araçatuba-SP e Barretos-SP, a arroba do macho terminado está cotada em R$151,00, à vista. Nesta segunda-feira, algumas indústrias aguardam melhor posicionamento do mercado para iniciarem suas negociações.

No atacado da carne com osso, preços estáveis, com o boi casado de animais castrados cotado em R$10,18/kg.

Para o curto prazo, fica a expectativa quando à demanda, já que os compradores devem abastecer os estoques.

Suíno Vivo: Semana começa com alta nas cotações em SC, enquanto SP e RS definem manutenção

Por Sandy Quintans

Nesta segunda-feira (26), as cotações para o suíno vivo iniciam a semana de forma lenta nas principais praças de comercialização. Em Santa Catarina o cenário é de alta nas cotações, porém grande parte das regiões optou manutenção de preços para os próximos dias.

A bolsa de suínos catarinense definiu negócios em R$ 3,90/kg nesta semana, com acréscimo de R$ 0,10 em relação a última semana. Na ocasião, o presidente da ACCS (Associação Catarinense de Criadores de Suínos), Losivânio de Lorenzi, explicou que a atenção no estado continua aos custos de produção.

“Muitos estão deixando a atividade por não enxergarem um horizonte promissor. Isso preocupa muito o setor, principalmente em Santa Catarina, que é o maior produtor e exortador da proteína. Temos dificuldades em formar sucessores na atividade por conta dessa instabilidade financeira e a falta de políticas públicas para o meio rural”, desabafa o presidente.

Em São Paulo, a bolsa de suínos manteve a referência de preços entre R$ 77 a R$ 79/@ – equivalente a R$ 4,10 e R$ 4,21/kg –, que já representava alta na última semana. No Rio Grande do Sul, o cenário também é de manutenção em R$ 3,92/kg, segundo pesquisa divulgada pela ACSURS (Associação Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul).

O analista da Safras & Mercado, Allan Maia, explica que a situação é esperada pelo período do mês de menor consumo. “Os frigoríficos relataram dificuldades tanto para a venda como para o escoamento dos estoques existentes”, comenta.

Por outro lado, pelo período do ano – em que há crescimento nas vendas para o período de festas – e também pelo alto custo de produção, novos reajustes podem ocorrer nas próximas semanas. “O produtor vem tentando administrar essa equação, mas os prejuízos continuam já que o custo de produção supera o valor final de venda ao produtor. Em São Paulo, por exemplo, o custo gira ao redor de R$ 4,30 o quilo”, destaca Maia.

Exportações

Nos embarques de carne suína in natura, o cenário é positivo tanto em relação a 2015 quanto ao mês anterior, Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) divulgados nesta segunda-feira apontam que até a quarta semana de setembro – totalizando 16 dias úteis –, as exportações chegam a 46,9 mil toneladas.

Com média diária de 2,9 mil toneladas, há um crescimento de 17,1% na comparação com o volume por dia em agosto, enquanto que em relação a setembro do ano passado o acréscimo é de 36,2%. Em receita, os dados apontam para US$ 110,4 milhões, com valor por tonelada em US$  2.354,6. 

Frango Vivo: Cotações seguem firmes nesta 2ª feira

Por Sandy Quintans

As cotações para o frango vivo iniciaram a semana com preços estáveis nesta segunda-feira (26). Em São Paulo a referência é mantida em R$ 3,10/kg nos últimos dias e em Minas Gerais a R$ 3,30/kg. Com a última semana do mês, em que a demanda é reduzida, o mercado deve manter estabilidade.

O analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, explica que a pouca movimentação é natural para o período. “Esse desempenho esteve de acordo com a realidade da segunda quinzena, que é de demanda fraca”, afirma.

Já a Scot Consultoria aponta que apesar dos preços firmes nas granjas, há negócios sendo realizados abaixo do valor de referência em São Paulo. Além disto, no atacado as vendas diminuíram e houve recuo de preços na última semana.“Para os próximos dias, o mercado deve permanecer mais parado, com as indústrias voltando à atenção para o controle de estoques”, aponta o boletim da consultoria.

Exportações

Nos embarques de carne de frango in natura, os números são positivos para o mês de setembro, segundo dados parciais divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Em 16 dias úteis, as exportações chegaram a 273,9 mil toneladas, com média diária de 17,1 mil toneladas.

Na comparação com o volume por dia registrado em agosto houve o acréscimo de 19,7%, enquanto que em relação a setembro de 2016 os embarques registraram o crescimento de 7,9%. Em receita, os dados apontam para US$ 446,8 milhões, com valor por tonelada em US$ 1.630,9.

Tags:
Fonte Notícias Agrícolas + Scot

Nenhum comentário