Emater: No RS, milho é a cultura mais atingida e safra já tem quebra de 37,56%

Publicado em 13/01/2012 06:57 846 exibições
A Emater/RS-Ascar e as secretarias de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo e de Agricultura, Pecuária e Agronegócio divulgaram nesta quinta-feira (12-01), em entrevista coletiva à imprensa, o levantamento do impacto da estiagem nas lavouras de grãos de verão do Rio Grande do Sul. Dados coletados pelos técnicos da Emater/RS-Ascar, até o dia 09 de janeiro, apontam para uma redução de 37,56% na produção total de milho no Estado, de 14,99 na soja e 6,26% no arroz, em relação à estimativa inicial, calculada a partir da média histórica dos últimos dez anos. Entre os principais grãos de verão, apenas o feijão manteve-se estável, apresentando inclusive aumento de 0,83% em relação à previsão inicial.

Considerando-se o preço pago ao produtor pela saca dos referidos grãos no dia 11 de janeiro, as perdas identificadas representam um prejuízo de R$ 2.224.238.257,13 para a economia do Rio Grande do Sul. A pesquisa abrangeu 95% da área de milho cultivada no Rio Grande do Sul, 94% da área de soja, 83% de arroz e 76% de feijão. O secretário de Desenvolvimento Rural, Ivar Pavan, reforçou que os dados divulgados hoje dizem respeito às perdas já consolidadas, portanto, não podem ser revertidos. “Mas se as chuvas se normalizarem a partir de agora, estes danos podem cessar”, avaliou Pavan.

O presidente interino da Emater/RS, Gervásio Paulus, destacou ainda que a estiagem não pode ser considerada um evento generalizado, já que não alcança todas as regiões do Rio Grande do Sul. “Ela (estiagem) atinge não apenas de forma desigual o Estado. Dentro de uma mesma região, as chuvas têm chegado mais em alguns municípios do que em outros”, explicou o diretor.

O secretário de Agricultura, Luiz Fernando Mainardi, falou sobre as ações do Governo para apoiar o agricultor, de forma que este esteja cada vez mais preparado para enfrentar os períodos de escassez de água. “O Governo, evidentemente, está preocupado com a situação. Estamos discutindo internamente e com as cadeias produtivas mais prejudicadas medidas e programas para estarmos cada vez mais preparados para enfrentar este problema”, avaliou Mainardi.

Dados

A cultura mais afetada até o momento é a do milho. A expectativa inicial de se colher 5.304.381 toneladas (calculada a partir da média histórica dos últimos dez anos) já foi reduzida, em função da estiagem, para 3,312 milhões de toneladas. As regiões que apresentaram as maiores quedas nos rendimentos esperados foram Ijuí (-68,93%), Passo Fundo (-56,11%) e Lajeado (-35,32%). Caso persistam as condições observadas até aqui, esses números poderão aumentar, pois ainda restam 28% das lavouras em desenvolvimento vegetativo, 17% em floração e 34% em fase de enchimento de grãos. As demais estão maduras (14%) ou já foram colhidas (10%).

Na soja a pesquisa indica uma redução de 14,99% em relação à previsão inicial, trazendo a produção para 8,756 milhões de toneladas. As maiores reduções se localizam, até o momento, em Santa Maria (-22,18%), Ijuí (-19,25%) e Santa Rosa (-17,50%).

No arroz, ante uma expectativa inicial de produtividade de 7.348 kg/ha, a pesquisa indica uma redução de 5,58%, passando para 6.938 kg/ha. A produção, para uma área total de 1,097 milhão de há, ficaria, desta forma, em 7,611 milhões de toneladas, -6,26% em relação à projeção inicial. Segundo os técnicos da Emater/RS-Ascar, a causa dessa diminuição está na pouca chuva ocorrida durante a implantação das lavouras e os recentes problemas com a diminuição da vazão de alguns rios e arroios, que prejudicam a irrigação em algumas regiões.

Outro problema observado foram as baixas temperaturas observadas durante a noite, que prejudicam o desenvolvimento normal das plantas, diminuindo o número de perfilhos e afetando a produtividade. Entre as principais regiões produtoras, a que apresentou a maior diminuição foi a região administrativa da Emater/RS-Ascar de Bagé (Campanha e Fronteira Oeste) com -14,345 em relação à produtividade estimada inicialmente.

No feijão 1ª Safra, ao contrário do que foi divulgado na pesquisa anterior, numa análise mais apurada e com uma amostragem maior dos números atuais, a produtividade ainda se mantém praticamente estável em relação à expectativa inicial, variando para +0,83% e situando-se em 1.198 kg/ha, para uma produção de 82,32 mil toneladas. Essa aparente estabilidade se explica pelo aumento nas expectativas de algumas importantes regiões, como a de Caxias do Sul, onde a variação foi positiva em 65,93% em relação à inicial. Todavia, esses números não deverão se sustentar, uma vez que ainda existem cerca de 10% das lavouras em desenvolvimento vegetativo e 24% em floração e enchimento de grãos. A continuidade das condições adversas sobre essas lavouras tende a impactar negativamente nos rendimentos futuros das mesmas.

Tags:
Fonte:
Emater/RS-Ascar

0 comentário