Chuvas na zona núcleo da Argentina: ao invés de aliviar seca, inundações retornam

Publicado em 27/12/2016 09:47 e atualizado em 27/12/2016 11:05
1426 exibições

Um temporal de chuva e vento assolou, desde o último domingo (25) até a madrugada da segunda-feira (26), alguns municípios da província de Buenos Aires, na Argentina, como Pergamino, Ramallo, Colón, Arrecifes, Rojas, Salto, San Nicolas, Florentino Ameghino e General Villegas.

Como consequência, mais de 400 pessoas deverão ser evacuadas e várias rotas cortadas na província. Um acidente em uma pista alagada em Ramallo ainda deixou como saldo um morto e um desaparecido.

Esses municípios receberam, durante esse período, mais de 200mm de água que inundou ruas, casas e caminhos rurais. O mais afetado foi Pergamino, que recebeu mais de 220mm.

No município de Salto, o estado é de alerta devido a um possível desborde do rio que dá nome a ele, que tem o nível de água aumentado por conta das últimas chuvas.

General Villegas, que já havia tido problemas com alagamentos, afetando a produção agrícola, também foi afetado por um forte temporal que deixou como resultado o alagamento de caminhos rurais.

Na província de Córdoba, a situação não é diferente. Um produtor agropecuário da província enviou fotos ao site argentindo Infocampo para mostrar como está a situação dos caminhos rurais após o temporal.

Na zona de Calchín Oeste, onde está localizado o produtor, caíram 115mm na área rural e 135mm na área urbana.

Veja as fotos:

"Passamos de um extremo a outro. Vinhamos com complicações por conta da seca, mas agora o excesso de água nos traz novos problemas. Não há meio termo", disse Hugo Biga, da Associação de Produtores Rurais de Marcos Juárez [província de Córdoba] ao jornal La Nación.

Com chuvas de mais de 220mm nos últimos dias, a zona de Marcos Juaréz, em Córdoba, se preocupa com possíveis problemas na produção e os produtores voltam a reclamar por conta da demora em obras de infraestrutura.

Juaréz contou que, por conta da seca, o plantio de soja de segunda etapa praticamente não foi realizado. "Nem soja e nem milho de segunda. O que temos plantado de primeira etapa vamos ter que ver a experiência, porque sobre solos secos não sabemos que resultados eles terão", afirmou.

Outro registro importante em Córdoba foi na localidade de Leones, com 120mm, além de Laboulaye, com 135mm.

Os campos do sul de Santa Fe também ficaram alagados por conta das abundantes chuvas no final de semana.

As chuvas eram esperadas na região, onde os cultivos de milho estavam enfrentando um importante estresse que afetava seu desenvolvimento. No entanto, o excesso de chuvas complica os lotes plantados nas últimas semanas com a soja tardia, que ficaram debaixo d'água.

Campo alagado em Villa Cañas, Santa Fe (Argentina). Foto: La Nación

Em Villa Cañas, caíram 140mm na quarta-feira passada e no último domingo outro 140mm, acumulando 280mm na zona em menos de uma semana.

Em Santa Isabel, o acumulado dos três dias beira os 270mm, com caminhos rurais instáveis. Em Wheelwright, foram 230mm, com queda de granizo em alguns lugares.

Na zona de Hughes, o acumulado foi de 260mm. Há caminhos rurais intransitáveis e lotes de soja recém plantados debaixo d'água.

De acordo com a Bolsa de Comércio de Rosário, se houvesse chovido regularmente sobre todos os 10 milhões de hectares que a Zona Núcleo do país abriga, seriam 100mm de chuvas para toda a zona.

As inundações voltaram a ganhar os lotes das zonas mais afetadas e há um grave risco para a continuidade dos cultivos se a água não for totalmente evaporada nos próximos dias. Há setores rurais e urbanos amplamente comprometidos.

Situação em Álvarez, em Santa Fe (Foto: Clarín)

Com informações do Infocampo.com.ar, Clarín e La Nación

Por: Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário