Tempo: Semana deve ser de menos chuvas para a Argentina e no RS

Publicado em 23/01/2017 09:00 e atualizado em 23/01/2017 17:11
2926 exibições

A semana deverá trazer condições de tempo bem diferente do registrado nos últimos dias e mexer com a direção do mercado, segundo acreditam especialistas, principalmente na Argentina. No Brasil, as áreas que mais exigem acompanhamento continuam sendo as que já avançam com seus trabalhos de colheita. O quadro climático na América do Sul tem sido, nos últimos dias, o fator principal de direção para as cotações da soja, influencia também o milho, mesmo que de forma mais discreta.

Previsão de Chuvas para a América do Sul - Fonte: NOAA

Previsão de Chuvas para a América do Sul até 30 de janeiro- Fonte: NOAA

Argentina

Para a Argentina, a semana deverá ser, de acordo com as últimas previsões, de menos chuvas e em áreas mais concentradas nestes próximos dias. "No geral, os mapas ainda oferecem chuviscos de baixa intensidade para os argentinos nos próximos dias,principalmente para a província de Buenos Aires", informa o relatório da Bolsa de Chicago (CBOT) em parceria com a AgResource Company. No vídeo a seguir, divulgado no Twitter do meteorologista argentino Leo de Benedictis.

Segundo uma nota do Commonwealth Bank of Australia, "a Argentina deverá sentir condições de tempo mais quente e seco essa semana, e esse padrão deverá permitir que as regiões inundadas possam começar a secar um pouco mais rápido". Complementando, a corretora internacional Benson Quinn Commodities acredita ainda que o período será determinante para uma tentaivas de recuperação de algumas áreas, antes dos estágios determinantes de floração e enchimento de grãos. A imagem a seguir, do site World AgWeather, já indica essa redução das chuvas na Argentina até o início de fevereiro, quando elas voltam a se acentuar. 

Argentina Nacional - World AgWeather

Fonte: World AgWeather

Entretanto, esse período de menor preocupação pode ter uma duração limitada, com um excesso de chuvas já previsto para voltar a acontecer no intervalo dos próximos 11 a 15 dias. "O padrão de umidade excessiva deve retornar entre os próximos 16 a 30 dias e voltar a afetar a soja e o mlho", acredita o Commodity Weather Group. 

SMN Argentina - Mapas Trimestrais

Mapas trimestrais de chuvas e temperaturas na Argetina - Fonte: Servicio Meteorológico Nacional

Para esta semana, "as  chuvas deverão ficar limitadas nas áreas produtoras centrais da Argentina nesta semana, com os problemas causados pelo excesso de umidade podendo se amenizar", segundo informou, em nota, o MDA Weather Service. Além disso, as temperaturas deverão continuar elevadas nos próximos dias, com Buenos Aires, por exemplo, podendo registrar máximas de 31ºC nesta segunda-feira (23).

Brasil

Já para o Brasil, as chuvas seguem beneficiando a maior parte da região produtora do país, com exceção ainda de alguns pontos da região Nordeste, onde as precipitações não se regularizaram e seguem acontecendo e forma mal distribuída. E para fevereiro, ainda de acordo com o relatório da CBOT e AgResource, "os mapas  têm se inclinado para índices pluviométricos mais baixos, favorecendo a maturação da cultura da soja e o avanço da colheita brasileira".

Previsão de Chuvas América do Sul Fevereiro - Fonte: AgResource

Previsão de Chuvas América do Sul Fevereiro - Fonte: AgResource

O estado de Mato Grosso, que lidera os trabalhos de colheita no Brasil, ainda deverá receber boas chuvas nos próximos dias, segundo as últimas previsões, e os produtores devem estar atentos. 

"O calor e a umidade alta facilitam a formação de nuvens de chuva sobre a região central do Brasil. E não é só no Mato Grosso que as chuvas não darão trégua. Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e em boa parte da metade sul de Minas Gerais as chuvas continuam (até o dia 25 de janeiro", informa a Climatempo.

Chuva acumulada de 21 a 25 de janeiro: Fonte: Climatempo

Chuva acumulada de 21 a 25 de janeiro: Fonte: Climatempo

O mapa indica que, em Mato Grosso, os volumes podem chegar a superar os 100 mm em alguns pontos. Já na penúltima semana do mê, as chuvas podem ser menos intensas, favorecendo ainda mais os trabalhos de campo, inclusive o plantio. No estado, há há cerca de pouco mais de 2% da safrinha de milho semeada. 

Já para o Sul do Brasil, o tempo permanece aberto e, no Rio Grande do Sul, as lavouras já começam a sentir os efeitos dessa condição. Especialistas alertam para esse quadro climático em um período determinante para as plantações, que é o de floração, como aponta a previsão trazida por Cristina Queiroz, da Rural Tecnologia, em entrevista ao Notícias Agrícolas, ma última sexta-feira (20).

Brasil 15 Dias Nacional - World AgWeather

Brasil RS 15 Dias - World AgWeather

"No Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia, a previsão é de chuvas na forma de pancadas, mantendo uma condição mais favorável ao desenvolvimento das lavouras. O tempo instável e com chuvas quase que diárias deverá se manter até meados da semana que vem condições bastante favoráveis ao desenvolvimento das lavouras", informa ainda a Climatempo. 

Notícias Agrícolas e Labhoro Corretora na Argentina

E nesta segunda-feira (23), a Labhoro Corretora e o Notícias Agrícolas dão início a uma rota pelas principais regiões produtoras da Argentina para conferir de perto os efeitos causados pelo excesso de precipitações nas últimas semanas. 

As primeiras fotos dos campos de soja foram enviadas por Daniel Olivi, direto da região de Cuchilla - Entre Rios e mostram áreas  qie ficaram debaixo d'água,  mas estão secas agora e ainda tem potencial de recuperação.

Argentina 2017 - Condições da lavoura de soja na região de Cucilla, ER

Argentina 2017 - Condições da lavoura de soja na região de Cucilla, ER

Argentina 2017 - Condições da lavoura de soja na região de Cucilla, ER

 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário