Tempo: Massa de ar polar faz mínimas recordes pelo país e frio deve continuar nos próximos dias

Publicado em 16/05/2019 11:15 e atualizado em 17/05/2019 10:38
936 exibições

Imagem de satélite de todo o Brasil nesta quinta-feira (16) - Fonte: Inmet
Imagem de satélite de todo o Brasil nesta quinta-feira (16) - Fonte: Inmet

LOGO nalogo

A massa de ar frio de origem polar ainda segue nesta quinta-feira (16) sobre áreas do Centro-Sul do Brasil. Cidades pelo país, inclusive, tiveram recorde de frio ontem (15). O modelo Cosmo do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) aponta que o frio deve continuar até o final da semana e áreas do Sul podem ter geada.

Segundo levantamento da Climatempo, com base nos dados do Inmet, a tarde desta quarta-feira foi a mais fria do ano em Curitiba (PR), com máxima de apenas 17,7°C. O recorde anterior era de 18,6°C em 9 de abril. Em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, houve quebra de recorde pelo segundo dia consecutivo, com mínima de 10,2°C.

No Sudeste, o Rio de Janeiro teve a segunda tarde mais fria do ano, com temperatura máxima de 26,3°C. O recorde atual é de 9 de abril, quando os termômetros registraram 26,2°C. Na tarde desta quinta-feira ou sexta-feira, este recorde pode ser batido, segundo a Climatempo. São Paulo também teve quedas e mais frio está previsto.

Veja o mapa com a previsão de temperatura mínima para até 93 horas (17/05 a 19/05) em todo o Brasil:

Mapa com a previsão de temperatura mínima para até 93 horas (17/05 a 19/05) em todo o Brasil - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

"Os ventos frios úmidos de uma massa polar no oceano estão soprando com mais força sobre São Paulo o que impede a elevação das temperaturas durante esta quinta-feira (16). A previsão indica apenas chuva fraca ou garoa para o leste do estado. O tempo mais aberto será observado no interior", destacou a empresa meteorológica.

O modelo Cosmo do Inmet aponta que as temperaturas deverão seguir baixas sobre o Centro-Sul do Brasil, principalmente na região Sul, até o final da semana e novos recordes não estão descartados. "A tarde desta quinta-feira poderá ser a mais fria de 2019 até agora em Curitiba, no Rio de Janeiro e em Vitória", diz a Climatempo.

Com a sequência das temperaturas baixas, o mapa de risco de geada aponta que condições fracas do fenômeno podem ocorrer a partir de sexta-feira (17) em áreas de serra em Santa Catarina e Rio Grande do Sul. As temperaturas já têm sido baixas nas últimas horas nessas áreas. Produtores devem ficar atentos.

Veja o mapa com risco de geada no Brasil para sexta-feira (17):

Mapa com risco de geada em no Brasil para sexta-feira (17) - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

Veja o mapa com risco de geada no Brasil para sábado (18):

Mapa com risco de geada no Brasil para sábado (18) - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

Durante esta quinta-feira (15), segundo dados levantados em estações do Inmet, as cinco menores temperaturas em todo o Brasil ocorreram em áreas de Santa Catarina, no Sul do país. Bom Jardim da Serra (SC): 4,9°C, Curitibanos (SC): 6,7°C, Lages (SC): 6,9°C, São Joaquim (SC): 7,2°C e Campos Novos (SC): 7,2°C.

Previsão de chuvas

Enquanto a temperatura fica mais baixa sobre a maior parte da faixa Centro-Sul do Brasil, as chuvas mais volumosas ocorrem de forma muito isolada sobre essas localidades do Brasil. Apenas no Norte e em áreas do Nordeste, incluindo o Matopiba é que as precipitações ficam mais generalizada ao longo desta quinta-feira.

Segundo o Inmet, há alerta de acumulado de chuva em áreas do Rio de Janeiro e São Paulo, além do Pará. Pontos desses locais já haviam recebido chuvas nas últimas 24 horas, mas de forma muito pontual, segundo aponta o mapa de precipitação acumulada do instituto meteorológico brasileiro.

Veja o mapa com a precipitação acumulada nas últimas 24 horas em todo o Brasil:

Mapa com a precipitação acumulada nas últimas 24 horas em todo o Brasil - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

Nos próximos sete dias, segundo o Inmet, as chuvas mais volumosas ocorrem sobre a região Norte do país com acumulados que podem chegar a até 150 mm em alguns pontos. Algumas áreas do Nordeste, principalmente no Matopiba também terão boas chuvas. Por outro lado, na maior parte do Centro-Sul do país, poucos volumes são vistos.

Veja o mapa de precipitação acumulada dos próximos 7 dias no Brasil:

Mapa de precipitação acumulada dos próximos 7 dias no Brasil - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

Previsão estendida de chuvas para o Brasil

De acordo com o mapa de previsão estendida do centro de previsão da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês), no período de 16 até 24 de maio, as chuvas mais volumosas caem sobre áreas da faixa Norte do país, mas voltam fracas em áreas do Sul.

De 24 de maio até 01 de junho, as precipitações mais volumosas voltam a se concentrar sobre áreas mais ao extremo Norte e ao Sul, com volumes maiores que os registrados no primeiro período. A condição ainda será pouco volumosa e generalizada sobre pontos centrais do país.

Veja o mapa com a tendência de precipitação acumulada para o período de 16 de maio até 01 de junho:

Mapa com a tendência de precipitação acumulada para o período de 16 de maio até 01 de junho - Fonte: National Centers for Environmental Prediction/NOAA
Fonte: National Centers for Environmental Prediction/NOAA

Safrinha em Avelinópolis (GO). Envio de Agmon Leite
Safrinha em Avelinópolis (GO). Envio de Agmon Leite

Milho plantado pela família Diogo, propriedade e fotos Flávio Soares em Itaporanga (SP)
Milho plantado pela família Diogo, propriedade e fotos Flávio Soares em Itaporanga (SP)

Milho plantado pela família Diogo, propriedade e fotos Flávio Soares em Itaporanga (SP)
Milho plantado pela família Diogo, propriedade e fotos Flávio Soares em Itaporanga (SP)

Fotos em Rio Verde (GO). Envio de Alex Zamonaro
Fotos em Rio Verde (GO). Envio de Alex Zamonaro

Foto em Rio Verde (GO). Envio de Alex Zamonaro
Foto em Rio Verde (GO). Envio de Alex Zamonaro

Envie sua foto ou vídeo! Fale com a gente pelo WhatsApp (19) 99767-0241

» Clique e veja mais informações na página de Clima e acompanhe cinco satélites em tempo real

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário