Suinocultura independente: Sudeste anda de lado e Sul tem aumento nos preços do suíno vivo

Publicado em 05/08/2021 14:48 183 exibições
Nos mercados mineiro e paulista, suinocultores e frigoríficos não conseguiram entrar em consenso sobre reajuste de preços

Logotipo Notícias Agrícolas

Esta quinta-feira (5) foi de movimentações diferentes entre as regiões Sul e Sudeste na questão dos preços praticados na suinocultura independente. Enquanto no Sul foram registrados pequenos aumentos, no Sudeste os suinocultores não conseguiram entrar em acordo com os frigoríficos. 

Após três semanas consecutivas com o suíno vivo sendo negociado a R$ 7,20/kg vivo, nesta quinta-feira (5) não houve acordo entre suinocultores e frigoríficos em São Paulo.

Segundo informações da Associação Paulista de Criadpores de Suínos (APCS), os produtores solicitaram aumento no preço, pedido que não foi aceito pelos frigoríficos. 

No mercado mineiro, depois de quatro semana sseguidas de estabilidade no preço do suíno vivo, cotado em R$ 7,00/kg vivo, nesta quinta-feira não houve acordo entre as partes, e o preço sugerido pela Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg) foi de R$ 7,20/kg vivo.

Conforme explica o consultor de mercado da entidade, Alvimar Jalles, a dinâmica de mercado em Minas Gerais segue com boas vendas como nas últimas semanas, com boa liquidez e com trajetória de enxugamento nas granjas. "Daí a necessidade de reajuste no preço", disse.

Santa Catarina obteve alta, passando de R$ 7,10/kg vivo para R$ 7,19/kg vivo. Losivanio de Lorenzi, presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), explica que "no Sul houve negociações um pouco melhores, mas há preocupação com frigoríficos que não trabalham com modelo de integração e que estão vendo que muitos produtores independentes foram para integração e cooperativas".

"Lá na frente, esses frigoríficos vão ficar sem animais para abater, então vejo que é iuma oportunidade para que os frigoríficos olhem para o suinocultor, porque senão, lá na frente, não terão o que abater", disse.

Considerando a média semanal (entre os dias 29/07/2021 a 04/08/2021), o indicador do preço do quilo do suíno do Laboratório de Pesquisas Econômicas em Suinocultura (Lapesui) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) teve alta de 3,22%, fechando a semana em R$ 6,79.

"Espera-se que na próxima semana o preço do suíno vivo apresente alta, podendo ser cotado a R$ 6,82", informou o reporte do Lapesui.

O mercado gaúcho, que negocia os animais no mercado independente todas as sextas-feiras, registrou alta na última (30). O preço passou de R$ 6,65/kg vivo para R$ 6,79/kg vivo.

Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário