Criadores de ovinos e suínos estão otimistas

Publicado em 30/11/2010 08:53 198 exibições
Tradicional aumento do consumo no final do ano mantém vendas internas aquecidas.
Como acontece nos finais de ano o consumo das carne suína e ovina deve aumentar
significativamente. Quem não gosta de um bom e suculento pernil de suíno ou um cordeiro assado nas comemorações de Natal? O gerente administrativo da Associação de Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Custódio Rodrigues de Castro Júnior, explica que é normal as vendas terem um crescimento nesta época, em todo o país, e tranquiliza os consumidores mato-grossenses quanto a qualidade e preço. Segundo ele, se comparada ao valor das outras carnes, a suína apresenta um custo menor, sendo que a qualidade e excelência estão melhorando a cada dia.

Quanto aos produtores, Castro avalia que o mercado da carne suína no Estado evoluiu significativamente em 2010. Tanto é que, diferente do ano passado, eles não estão tendo prejuízos pois o custo da produção está em torno de R$ 1,60 a R$1,70 o quilo, enquanto a carne está sendo comercializada a R$ 2,20. Custódio acredita ainda que pode haver oscilação para cima, já que o quadro reflete as compras do mercado internacional e os baixos estoques do mercado interno. Outro dado interessante é que, segundo a Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora da carne Suína (Abipecs), o consumo dessa carne aumentou cerca de 30% no Brasil.

De acordo com a Abipecs, o setor de carne suína vive um momento de contraste. Isso porque, enquanto as vendas externas brasileiras continuaram a cair em volume em outubro - a retração foi de 21,12% (49.713 toneladas) em relação ao mesmo período de 2009 -, a forte demanda interna tem compensado e isso também ocorre com relação aos preços, que estão bastante aquecidos, um fator que desestimula a exportação. De janeiro a outubro no mercado interno os volumes comercializados representaram 119,8 mil toneladas a mais do que no mesmo período do ano passado. A queda de 9,75% nas exportações foi compensada pelo crescimento de 7,9% nas vendas internas.

Em outubro o Brasil exportou 49.713 toneladas (queda de 21,12% ante outubro de 2009) e obteve uma receita de US$ 124,48 milhões (queda de 4,62% em valor). As exportações de carne suína até outubro registraram uma variação negativa de 9,75% em volume (461.881 t) e um crescimento de receita de 11,32% (US$ 1,13 bilhão).

O representante da Acrismat explica ainda que a forte demanda interna é resultado da melhoria do poder aquisitivo da população, bem como a alta nos preços da carne bovina, concorrente direta da carne suína o que manteve os valores internos fortemente aquecidos no país neste ano.

Tags:
Fonte:
Gazeta Digital

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário