Trigo: planejamento é fundamental para aliar rendimento à rentabilidade

Publicado em 22/05/2012 07:38 583 exibições
Como a lavoura de trigo tem um nível de incerteza maior do que as culturas de verão, o planejamento é fundamental para aliar rendimento à rentabilidade. É preciso considerar fatores promotores do rendimento de forma equilibrada com fatores protetores da lavoura, visando sempre o retorno financeiro do produtor. O alerta é da Embrapa Trigo.

No momento em que começa a semeadura do trigo no Rio Grande do Sul, o produtor pode ficar confuso com a grande oferta de cultivares, herbicidas, fungicidas, fórmulas milagrosas para adubação e garantia de qualidade final pelos obtentores e até por “São Pedro”. A escolha da cultivar vai definir grande parte do conjunto de insumos a ser utilizado, já que algumas cultivares demandam mais adubo, mais fungicidas ou mesmo um redutor de crescimento. Assim, fica definido também como será o manejo da lavoura e o tamanho do investimento. Para identificar a melhor opção, o produtor deve conhecer o potencial produtivo da região, as cultivares mais adaptadas, o histórico da propriedade e do clima. “O conselho é não errar na hora de economizar na lavoura de trigo. Não adianta economizar na compra de sementes certificadas, reduzir adubação e manter três aplicações de fungicida. Se o produtor reduzir o potencial da lavoura, não vai adiantar tentar proteger este potencial que já está limitado”, explica o pesquisador João Leonardo Pires. Segundo ele, em caso de necessidade de fazer economia é melhor reduzir a área, mas manter um nível mínimo de tecnologia para assegurar o retorno. 

Equilíbrio nas contas

O trigo exige um mínimo de tecnologia para ser produzido, mas práticas promotoras e protetoras da lavoura precisam ser avaliadas de acordo com o retorno econômico que proporcionam. Produtividade nem sempre se traduz em lucro no trigo, enquanto que rendimentos acima da média geralmente são resultado do alto investimento em insumos. “É importante manter um equilíbrio das contas agora, na implantação da lavoura. Muitas vezes é mais vantajoso para o produtor assumir um teto de rendimento menor, mas com boa rentabilidade”, orienta João Leonardo Pires.

A calendarização de aplicações nas lavouras tem tornado, muitas vezes, o controle de pragas e doenças uma receita única, contrária às boas práticas agrícolas e onerando o custo da lavoura. Somente os fungicidas representam de 8 a 12% do custo total no trigo. “Muitas cultivares tem boa resistência a doenças e poderiam manter o nível de rendimento de grãos mesmo com o uso mais racional de fungicidas. O que temos visto são aplicações calendarizadas, nem sempre necessárias”, explica Pires.

Manejo e ambiente

“Para fazer manejo é preciso conhecer a cultura”, determina o pesquisador da Embrapa Trigo, Osmar Rodrigues. Na opinião do pesquisador, o produtor e, principalmente, a assistência técnica, precisa saber como acontece o crescimento e o desenvolvimento do trigo na sua região, os fatores limitantes e promotores da cultura. “Nós esgotamos a fase de aumentar a produtividade através de insumos, via componentes químicos que representam apenas 5% da estrutura da planta. Precisamos manejar os componentes orgânicos da planta, interferindo em recursos como luz, solo, temperatura, água ou nutrição. “A biologia das plantas não pode ser traduzida em números. Nós calendarizamos todas as práticas e esquecemos de ficar atentos ao ambiente”, diz Rodrigues.
Conforme os pesquisadores da Embrapa, o melhoramento genético evoluiu muito ao longo dos anos, mas o ganho com esse aprimoramento depende, fundamentalmente, do manejo da lavoura. “A escolha da cultivar é importante, mas a época de semeadura, adubação equilibrada, controle de pragas e doenças compõem o conjunto de fatores que vão definir a qualidade final do trigo”, afirma João Leonardo Pires, concluindo que “não é difícil produzir trigo. Basta seguir conceitos básicos, bem aplicados”.

Por que plantar trigo:

• Mais de 5 milhões de hectares de área ociosa no inverno;
• Oportunidade de 2 a 3 safras no ano;
• Aproveitamento do maquinário e mão-de-obra;
• Conservação do solo;
• Aumento da produtividade da cultura de verão em até 500 kg/ha.
Tags:
Fonte:
Embrapa Trigo

0 comentário